Comissão Nacional de Eleições (CNE)

ELEIÇÕES 2014: Resultados provisórios das presidenciais e legislativas – CNE

ELEIÇÕES 2014: José Mário Vaz do PAIGC disputa a segunda volta das presidenciais com o candidato independente, Nuno Gomes Nabiam.

RESULTADOS PROVISÓRIOS:
José Mário Vaz “Jomav” (PAIGC): 252 mil e 269 votos – 40, 98%
Nuno Gomes Nabiam (INDEPENDENTE): 154 mil e 784 votos – 25, 14%
Paulo Gomes (INDEPENDENTE): 60 mil e 789 votos – 9,87%

Abel Incada (PRS): 43 mil e 293 – 7,3%

 

 ELEIÇÕES 2014 – PAIGC VENCE AS LEGISLATIVAS:

 RESULTADOS PROVISÓRIOS:

PAIGC – 55 Mandatos

PRS – 41 Mandatos

PCD – 2  Mandatos

PND – 1 Mandato

UNIÃO PARA MUDANÇA – 1 Mandato

**Faltam dois deputados para a diaspora a ser apurados dentro de 48 horas, de acordo com a Comissão Nacional de Eleições. Estes deputados serão provavelmente atribuidos ao PAIGC, de acordo com informações obtidas pela GBissauu junto aos círculos eleitorais na diáspora.

 

Divulgação dos resultados provisórios das eleições legislativas e presidenciais na Guiné-Bissau

Divulgação dos resultados provisórios das eleições legislativas e presidenciais na Guiné-Bissau

Augusto Mendes, Presidente da Comissão Nacional das Eleições (CNE)

Eleições 2014: Resultados provisórios vão ser conhecidos na quarta-feira – Presidente da CNE

Bissau (GBissau, 15 de Abril de 2014) - O presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), Augusto Mendes, anunciou que os resultados oficiais provisórios das eleições gerais de domingo findo serão conhecidos amanhã, quarta-feira, 16 de Abril.

Em declarações telefónicas a GBissau, Augusto Mendes disse que o evento está marcado para 19 horas de Bissau, na sede da CNE, em Bissau.

Fernando Vaz, ministro da Presidência da Republica e da Comunicação Social e porta-voz do Governo da Guiné-Bissau

As declarações da eurodeputada Ana Gomes é um “acto ridículo, barato e gratuíto” — Porta-voz do governo guineense

“Esta senhora [Eurodeputada Ana Gomes] deve ter proferido estas afirmações depois do almoço” – Fernando Vaz

Bissau (GBissau, 15 de Abril de 2014) – O ministro de Estado da Comunicação Social e dos Assuntos Parlamentares da Guiné-Bissau criticou duramente as declarações da  eurodeputada portuguesa Ana Gomes, segundo as quais, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) teria “patrocinado” o golpe de estado de 12 de Abril.

Fernando Vaz, que é igualmente o porta-voz do governo de transição, acusou Ana Gomes de querer “reacender os incêndios já extintos” ou porque a eurodeputada “não queria passar despercebida” na Guiné-Bissau, criando assim “este tipo de incidentes”.

Kadré Désiré Ouedraogo, presidente da comissão da CEDEAO

CEDEAO rejeita acusação de patrocínio do golpe de 2012

Bissau (Angop, 15 de Abril de 2014) - O presidente da comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Kadré Désiré Ouedraogo, rejeitou a ideia de que a organização tenha “patrocinado” o golpe de estado militar de 2012 na Guiné-Bissau. 

A acusação foi feita pela eurodeputada portuguesa Ana Gomes em declarações à Lusa, no domingo.

Umaro Djau, GBissau.com

Opinião: Eurodeputada Ana Gomes ou a Guiné-Bissau?

Aos futuros governantes a sair destas eleições de 13 de Abril, só lhes deve interessar o entendimento, a união, a coesão interna e a reconstrução do nosso Estado martirizado. E da boca da eurodeputada (sobretudo de uma portuguesa com quem partilhamos a história, as origens, os hábitos, a cultura, a língua, etc., etc.,) só queríamos umas palavras que pudessem galvanizar o espírito combatente do Povo da Guiné-Bissau, rumo à paz e o bem-estar social.

por Umaro Djau, Editor, GBissau.com

Joaquim Alberto Chissano, antigo presidente da República de Moçambique

Eleições 2014: Missão de Observação da UA apela ao diálogo inclusivo após eleições

Bissau (Angop, 15 de Abril de 2014) - O chefe da Missão de Observação Eleitoral (MOE) da União Africana (UA) e ex-presidente moçambicano, Joaquim Chissano, exortou os atores políticos bissau-guineenses a criar as condições para um diálogo inclusivo e de reconciliação nacional no período pós-eleitoral.

O ex-estadista moçambicano fez este apelo quando apresentava, em conferência de imprensa, o resultado das observações preliminares das eleições gerais realizadas domingo último na Guiné-Bissau.

“Todos devem unir-se às novas autoridades na sua obra de reconstrução democrática e de desenvolvimento da Guiné-Bissau”, disse, antes de apelar à comunidade internacional para continuar a dar o seu apoio ao país visando uma saída definitiva da crise.

Bandeira de Portugal

Eleições 2014: Portugal saúda o escrutínio

Bissau (ANG, 15 de Abril de 2014) - O governo de Portugal felicitou os guineenses pela forma “pacífica” como decorreram as eleições presidenciais e legislativas e realçou a “elevada” afluência às urnas”.

Segundo um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros daquele país europeu lusófono, a ordem e a considerável participação no acto eleitoral revelam um “compromisso com a paz e democracia”, por parte dos guineenses.

Guiné-Bissau: Eleições 2014 - votação

MOE CPLP e União Europeia consideraram justas e transparentes as eleições na Guiné-Bissau

Bissau (ANG, 15 de Abril de 2014) – As Missões de Observação internacionais das eleições gerais de 13 de Abril na Guiné-Bissau, nomeadamente da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da União Europeia, foram unânimes em considerar  o escrutínio  justo, livre e transparente.

Para o chefe da Missão de Observação Eleitoral da CPLP, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique Leonardo Simão, foi notória a boa organização, com meios técnicos e humanos adequados bem como o zelo por parte de agentes envolvidos no processo.

Movimento Nacional da Sociedade Civil para Paz, Democracia e Desenvolvimento

Eleições 2014: Comunicado do Movimento Civil

COMUNICADO A IMPRENSA

A realização das eleições presidenciais e legislativas de 13 de Abril de 2014, constituía imperativo categórico para fazer o país voltar a normalidade constitucional, assim como retornar a confiança da comunidade internacional nas instituições da república.

Guiné-Bissau: Eleições gerais de 2014

Eleições 2014: Declaração Preliminar da Missão de Observação Eleitoral da União Europeia

  • A Realização das Eleições aproxima a Guiné-Bissau da Normalidade Constitucional

Guiné-Bissau, 14 de Abril de 2014

Resumo

As eleições presidenciais e legislativas decorreram de forma pacífica e ordeira com um número elevado de eleitores a exercerem livremente o seu direito de voto na fase final de um período de campanha e de organização do processo eleitoral praticamente livres de incidentes. As eleições constituíram o culminar de um processo de criação de condições para que a Guiné-Bissau possa sair do isolamento internacional e aproximar-se da normalidade constitucional.

Declaração do Presidente da CNE, Augusto Mendes

Eleições 2014: Declaração do Presidente da CNE, Augusto Mendes

“…desde esta madrugada [14 de Abril] que os resultados refletidos nas diversas Atas Síntese estão a ser processados em cada uma das CRE´s. Ou seja, queremos que todos saibam que o processamento dos resultados já está em curso. (…) Entretanto, reafirmo aqui, com suporte na Lei, que a Comissão Nacional de Eleições é o único Órgão com competência e autoridade para divulgar os resultados oficiais. Esta atribuição já foi, aliás, reconhecida por quem está na disputa e corrida eleitoral”.

DECLARAÇÃO DO PRESIDENTE DA CNE
14 de Abril de 2014

Candidato Presidencial Paulo Gomes, Independente

Eleições 2014: Nota de Imprensa da candidatura de Paulo Gomes

NOTA DE IMPRENSA

Vem o candidato independente Dr. Paulo Gomes, pela presente nota, agradecer penhoradamente todos os eleitores, tanto os do país como os da diáspora, pela sua massiva participação no processo de votação e, igualmente, pelo alto grau de civismo demonstrado.

Os agradecimentos são igualmente extensíveis à Comissão Nacional de Eleições, pela forma organizada como até aqui tem conduzido o processo eleitoral, o que de resto traduz-se na taxa expressiva de participação, estimado em mais de 70%, de um universo de cerca de 800.000 cidadãos recenseados.

Sede do PAIGC em Bissau

Últimas: PAIGC agradece militantes e simpatizantes

Bissau (GBissau, 13 de Abril de 2014) – O porta-voz do Partido Africano de Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) afirmou ser da competência da Comissão Nacional de Eleições (CNE) anunciar os resultados eleitorais.

O esclarecimento João Bernardo Vieira foi ao encontro às especulações iniciais de que o PAIGC iria anunciar, durante a sua conferência à meia-noite de domingo, ser o vencedor das eleições legislativas e presidenciais logo à primeira volta.

Votação na cidade de Bissau, 13 de Abril de 2014

Eleições 2014: Prevê-se participação recorde

Bissau (Lusa, 13 de Abril de 2014) – As urnas já fecharam nas eleições gerais deste domingo na Guiné-Bissau, que decorreram sem incidentes entre as 07:00 e as 17:00 horas locais, de acordo com várias fontes ligadas ao processo eleitoral.

Augusto Mendes, presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) da Guiné-Bissau, disse hoje que a taxa de participação poderá variar entre 60 a 70%, uma das “mais significativas” da história do país.

Sala de operacoes da monitorizacao eleitoral do Grupo da Sociedade Civil sobre Eleicoes

GOSCE: Eleições globalmente pacíficas, com uma participação cidadã dos Guineenses

  • Declaração do Grupo das Organizações da Sociedade Civil das Eleições
  • Eleições globalmente pacíficas, com uma participação cidadã dos Guineenses 

13 Abril 2014

Durante os dias 9 a 13 de Abril, o Grupo das Organizações da Sociedade Civil para as Eleições, GOSCE, constituído por uma quinzena de organizações da sociedade civil guineense que visa participação plena dos cidadãos no funcionamento da democracia, em parceria com a organização One World e com o apoio da Delegação da União Europeia, acompanhou as acções desenvolvidas no âmbito do processo eleitoral. As informações foram obtidas através de uma ficha de recolha de dados, bem como do envio de mensagens escritas, SMS.

PRT Manuel Serifo Nhamajo

“Aceitem os resultados anunciados pela CNE, ganhe quem ganhar” — PRT Manuel Serifo Nhamajo

Bissau (GBissau, 11 de Abril de 2014) – O Presidente da República de Transição lançou hoje, sexta-feira, um apelo ao povo guineense no sentido de participar “massivamente” na votação de domingo, 13 de Abril.

De acordo com Manuel Serifo Nhamajo, “o mundo está com os olhos postos em nós”. E, por isso, os eleitores devem corresponder às expectativas mundiais e regionais em relação ao país.

Eleições na Guiné-Bissau

Eleições 2014: comícios finais viram Bissau do avesso, sem incidentes

Bissau (Lusa, 11 de Abril de 2014) – Dois dos comícios de encerramento da campanha eleitoral levaram ao fim da tarde milhares de pessoas ao centro de Bissau num ambiente caótico e ensurdecedor, mas sem incidentes.

Separados por escassos metros, o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e a candidatura independente de Nuno Nabian fecharam a campanha para as eleições gerais de domingo no coração da capital.

Eleições na Guiné-Bissau

Eleições na Guiné-Bissau: Entre o regresso a estabilidade e o resvalamento para o caos

Luanda, Angola (Especial Semanário Angolense, Abril de 2014) – Um pouco mais de 776 mil eleitores, irão às urnas no próximo dia 13 de Abril,  na Guiné-Bissau para a a eleição de um novo presidente da república,  um governo e um parlamento.

Envolto num ambiente de tensão e de incertezas quanto ao seu potencial impacto na estabilização do país, na reposição da legalidade constitucional e no fecho de um ciclo conturbado e violento na Guiné-Bissau,  a semelhança das pretéritas  experiências , estas eleições presidenciais e legislativas simultâneas, aparentemente em nada diferem dos pleitos eleitorais que a antecederam.

Joaquim Alberto Chissano, antigo presidente da República de Moçambique

Chissano apela aos guineenses para aceitarem resultados eleitorais

Bissau (ANG, 11 de Abril de 2014) - O chefe da missão de curto prazo da União Africana (UA), composta por mais de 50 observadores, apelou aos guineenses para manterem a calma e estarem preparados para aceitar os resultados das eleições como forma de tirar o país do isolamento em que se encontra.

Joaquim Alberto Chissano, que falava à imprensa à sua chegada no Aeroporto Internacional Osvaldo Vieira, de Bissau, considerou haver condições favoráveis para a realização de eleições gerais credíveis no domingo.

Krzysztof Lisek, chefe da Missão da União Europeia na Guiné-Bissau

Eleições 2014: Observadores da União Europeia visita regiões de Oio e Bafatá

Bissau (GBissau, 11 de Abril de 2014) – Uma equipa de observadores internacionais da União Europeia (UE), conduzida pelo chefe da Missão, Krzysztof Lisek, de nacionalidade polaca, encontra-se, desde ontem, dia 10, em visita de trabalho e de contacto, às regiões de Oio e Bafatá, respectivamente, às cidades de Mansoa e Bafatá, Norte e Leste do país.

A visita serve para os observadores da União Europeia constatarem, no terreno, e junto das Comissões Regionais das Eleições, o desenrolar do processo eleitoral, nomeadamente a campanha eleitoral, as condições técnicas e administrativas ligadas ao escrutínio do dia 13, domingo próximo, com vista às eleições presidenciais e legislativas.

Departamento de Estado norte-americano, em Washington, EUA

EUA pedem ambiente pacífico nas eleições

Bissau (ANG, 11 de Abril de 2014) - O Departamento de Estado norte-americano apelou às autoridades da Guiné-Bissau para criarem um ambiente pacífico durante as eleições de domingo.

O porta-voz Jen Psaki referiu que os Estados Unidos de América encaram o acto eleitoral como “um importante passo para construir um futuro mais estável, próspero e democrático” na Guiné-Bissau.

John Dramani Mahama com PRT Manuel Serifo Nhamajo, no momento da chegada no aeroporto Osvaldo Vieira em Bissau

Presidente do Gana visita Bissau para impulsionar reposição da ordem constitucional

Bissau (ANG, 11 de Abril de 2014) – O Presidente do Gana e em exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) visitou oficialmente a Guiné-Bissau na quinta-feira, durante algumas horas, para manifestar solidariedade para com autoridades nacionais nos esforços de reposição da ordem constitucional através das eleições gerais de domingo.

Em declarações à imprensa, John Dramani Mahama expressou o desejo de ver o país regressar brevemente a normalidade constitucional.

Estúdio da Rádio Jovem, em Bissau

UE financia 20 projectos de desenvolvimento destinados aos Órgãos de Comunicação Social

Bissau (Delegação da União Europeia, 11 de Abril de 2014) – A Delegação da União Europeia junto da República da Guiné-Bissau assinala o financiamento de 20 projectos de desenvolvimento destinados aos jornais e às rádios de vocação nacional e comunitária, num total de 200.000 Euros (cerca de 130 milhões de Francos CFA).

O principal objectivo desta iniciativa é a promoção dos valores cívicos. Os projectos financiados deverão contribuir para uma informação de qualidade no intuito de favorecer uma opinião pública crítica e conhecedora da realidade política, económica, social e cultural do seu país.

União Europeia (UE)

UE apoia o Grupo das Organizações da Sociedade Civil para as Eleições (GOSCE) na realização de um projecto de cidadania activa

A União Europeia assinala o seu apoio a uma iniciativa de cidadania activa que prevê a monitorização do processo eleitoral através da mobilização de 400 cidadãos-monitores presentes em todo o território nacional.

A acção é realizada pelo Grupo das Organizações da Sociedade Civil para as Eleições (GOSCE) e a ONG britânica OneWorld, com a participação das seguintes organizações guineenses: AiFA-PALOP, ASV-CPLP, ALTERNAG, AMIC, CNJ, LGDH, MAC, PPM-GB, REMPSECAO, TINIGUENA e VOZ di PAZ.

Ricardino Jacinto Dumas Teixeira

Opinião: Uma Nova Esperança para uma Nova Política na Guiné-Bissau

No domingo, 13 de abril de 20014, os guineenses vão às urnas para escolher o Chefe do Governo e o novo Presidente da República da Guiné-Bissau. O processo político está sendo acompanhado com muito cuidado, interna e externamente, até o momento sem grandes incidentes que pudessem comprometer sua sustentabilidade, apontando, desde já, para uma nova forma de fazer e conceber a política democrática no país.

Por: Ricardino Jacinto Dumas Teixeira | ricardino_teixeira@hotmail.com