Sequência dos acordos entre a Guiné-Bissau e Angola: Bauxite, Fosfatos, Porto de Buba

Aqui seguem artigos que podem ilustrar a sequência dos acordos com a Angola…

Bandeira da Guiné-Bissau

Bandeira da Guiné-Bissau

Bandeira de Angola

Bandeira de Angola

******************************************************************

Assinado acordo com Angola para exploração de bauxite

Luanda (Fonte: Bauxite Angola, Data: 22 de Outubro de 2009) – A Guiné-Bissau e Angola assinaram quinta-feira um acordo de exploração conjunta da bauxite na região do de Boé (sudeste), próxima da fronteira com a Guiné-Conacri, anunciou o ministro dos Recursos Naturais guineense.

“Este projecto vai gerar recursos financeiros suplementares e contribuir para a melhoria da balança de pagamentos da Guiné-Bissau”, disse Soares Sambu, afirmando que se trata dum projecto extremamente importante para o futuro do país.

Por seu turno, o ministro das Obras Públicas angolano, Higino Carneiro, que se deslocou a Bissau para assinar o acordo, indicou que o projecto permitirá reforçar as relações de amizade e de cooperação entre os dois países.

À margem da cerimónia, Soares Sambu declarou à imprensa que vai ser criada uma sociedade anónima de capital comum, acrescentando que a empresa Bauxite Angola vai conceder ao governo guineense 13 milhões de dólares (9,4 milhões de euros) depois de determinados os prazos de pagamento pelas duas partes.

O ministro guineense adiantou que a sociedade terá três accionistas, nomeadamente uma empresa pública guineense, com 10 por cento das acções, uma outra angolana, com 20 por cento, e a Bauxite Angola, com os restantes 70 por cento.

Soares Sambu lembrou que, em Maio último, a Bauxite Angola assinou um memorando de entendimento com a Guiné-Bissau para a exploração de bauxite na região de Boé, e precisou que a empresa vai comercializar e explorar o mineral e será autorizada a explorar outros minerais do subsolo do país.

Segundo o ministro guineense, estima-se que as reservas de jazidas de bauxite na região de Boé atinjam as 110 milhões de toneladas, confirmadas já deterem a categoria “C1C2”, numa margem de sondagem de 100 metros por 100 e de 200 metros por 200.

******************************************************************

Carlos Gomes Júnior divulga “importantes reservas” do bauxite, fosfatos e petróleo no país

Bissau (Fonte: Bauxite Angola, Data: 06 de Outubro de 2010) – A O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Carlos Gomes Júnior, disse sábado que o país possui “importantes reservas” do bauxite, fosfatos e petróleo e que conta com o sector privado local e dos países lusófonos para promover a economia.

O primeiro-ministro guineense fez este anúncio no seu discurso de abertura da Semana de Negócios da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), iniciada sábado em Bissau.

Ao apresentar as potencialidades de negócios na Guiné-Bissau, Carlos Gomes Júnior declarou que, além da vantagem de pertencer aos mercados sub-regionais africanos, com cerca de 300 milhões de potenciais consumidores, o país possui as suas próprias potencialidades.

“O nosso potencial agrícola e pesqueiro é conhecido, mas o país possui igualmente importantes reservas do bauxite, fosfatos e petróleo”, disse Carlos Gomes Júnior.

O chefe do governo guineense destacou ainda as potencialidades no sector do turismo para apelar os empresários locais e lusófonos a apostarem na Guiné-Bissau, enaltecendo sempre a perspectiva do mercado potencial no âmbito da União Monetária Oeste Africana (UEMOA) e da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da Africa Ocidental).

De acordo com Carlos Gomes Júnior o facto de a Guiné-Bissau ser membro das duas comunidades levou a que a sua moeda seja estável -o Franco CFA, com paridade ao euro – e a uma inflação situada abaixo dos três por cento.

Sobre a semana do negócio da CPLP, em Bissau, Carlos Gomes Júnior considerou que é uma iniciativa que vai contribuir para dar uma imagem positiva do país no exterior.

******************************************************************

Angola investe no bauxite da Guiné-Bissau

Luanda (Fonte: Bauxite Angola, Data: 17 de Outubro de 2010) Construir um porto de águas profundas e uma via rodoviária e extrair bauxite na Guiné-Bissau são os engajamentos assumidos pelo governo angolano num projecto inaugurado oficialmente pelo Chefe de Estado guineense há uma semana.

Dentro de aproximadamente três anos, a Guiné-Bissau vai dispôr do maior porto da sua história, no braço do mar que banha a cidade de Buba, no Sul do país, com 18 matos de profundidade e capacidade para receber, em simultâneo, três navios de porte até 70 mil toneladas cada (ao contrário do porto da capital Bissau com apenas capacidade para navios de dez mil toneladas).

A construção do porto de Buba faz parte de um grande projecto de exploração do minério de bauxite na região Leste do país (Boé), sendo o seu escoamento a ser efectuado através de uma via rodoviária que ligará Buba-Minhíme, a ser construída em duas etapas de 18 e 12 meses consecutivos.

Após duas dezenas de anos de expectativas nulas de financiamentos de organismos internacionais, devido à instabilidade permanente da governação do país e à falta de confiança por parte dos parceiros externos, a concretização desta gigantesca obra vai ser, finalmente, possível graças ao envolvimento directo do Estado angolano no seu financiamento, com a comparticipação das autoridades da Guiné-Bissau.

A empresa Bauxite Angola é a entidade a quem foram concedidos, desde Setembro de 2007, os direitos de prospecção, exploração e de processamento do minério antes da sua exportação, num prazo de 25 anos renováveis, sob a supervisão do Ministério dos Recursos Naturais e Ambiente guineense.

Empresa considerada pioneira em Angola na prospecção e extracção deste mineral, a Bauxite Angola foi estabelecida por uma pasceria de capitais públicos e privados angolanos e estrangeiros.

A coordenação da execução das obras do sub-sector portuário estará a cargo de uma empresa brasileira, a Aprebras, enquanto as obras da estrada de escoamento do produto, desde Munhime a Buba, serão executadas pela Arezlci, uma firma libanesa fixada na Guiné-Bissau desde há uma década. Na sua trajectória, a estrada atravessará partes das regiões do Sul (Quinara e Tombali) até ao Leste (no Boé).

Durante a cerimónia do lançamento oficial da primeira pedra das obras, foi destacada, das palavras do Chefe de Estado Nino Vieira, a particularidade de o financiamento ter vindo de urna iniciativa de solidariedade por parte de Angola, “país irmão de história e de sangue”, com a participação de empresas brasileira e guineense, numa clara alusão aos imperativos de novas apostas na valorização, reforço e consolidação da cooperação entre os países do Sul.

Por outro lado, o projecto é apresentado como uma oportunidade para uma maior integração nacional, devido a dinamização da produção e circulação de mercadorias comerciais entre as populações de diferentes do leste e sul do pais e, por outro lado, para a integração sub-regional africana, devido ao favorecimento do escoamento de produtos a partir das regiões dos países vizinhos encravados em zonas de difícil acesso ao mar (o Mali e as zonas noroeste da vizinha Guiné-Conacri).

Segundo Bernardo Campos, presidente do Conselho de Administração da Bauxite Angola, o posicionamento geográfico favorável da via rodoviária a partir de Boé e do futuro porto de águas profundas está na base do interesse manifestado pelas autoridades da vizinha Guiné-Conacri em activar o plano outrora congelado de exploração do minério de bauxite na região mais próxima e seu escoamento para o estrangeiro através de Buba.

Um sinal considerado de reforço de confiança para a empresa angolana é o facto de ter já sido apontada também como a possível executora das operações de extracção deste minério no país vizinho.

Em documentos da Bauxite Angola pode-se ler que no domínio ambiental a empresa vai actuar na impermeabilização das bacias de decantação nas áreas mineiras, reposição de solos, reflorestamento, controlo e defesa da fauna local e na sensibilização da população quanto à necessidade de protecção do meio ambiente.

Com sede em Luanda, a empresa emprega cerca de meia centena de trabalhadores.

******************************************************************

Angolana Bauxite Angola vai construir porto em Buba

Bissau (Fonte: Bauxite Angola, Data: 24 de Novembro de 2010) – A empresa angolana Bauxite Angola vai construir e gerir um porto de águas profundas em Buba (a sudoeste de Bissau) nos termos de um acordo quinta-feira assinado em Bissau com o governo da Guiné-Bissau.

Durante a cerimónia de assinatura do acordo, o presidente da Bauxite Angola, Bernardo Campos, disse que o futuro porto vai tornar-se na porta de entrada e saída dos produtos da Guiné-Bissau.

Bernardo Campos adiantou que o porto é “de extrema importância” para o desenvolvimento do país e da sub-região.

A construção pela Bauxite Angola do porto de Buba, o maior do género na África Ocidental, enquadra-se no projecto de exploração da bauxite de Boé, num custo estimado em 321 milhões de dólares.

As reservas de bauxite da Guiné-Bissau estão estimada em 113 milhões de toneladas.

A Bauxite Angola é uma empresa mista de direito angolano, criada para realizar operações de mineração e investimento em diversos domínios, sendo, desde Setembro de 2007, titular de direitos mineiros sobre os jazigos de bauxite da Guiné-Bissau, bem como de concessões para a prospecção de bauxite em Angola e na Guiné-Conacri.

Empresa pioneira em Angola na prospecção e extracção de bauxite, a Bauxite Angola foi estabelecida como uma parceria constituída por capitais públicos dos estados angolano e guineense bem como por privados, nacionais e estrangeiros.

A Bauxite Angola dispõe de uma empresa de direito guinense, denominado Sociedade Mineira do Boé, para operar na Guiné-Bissau. (macauhub)

******************************************************************

Exploração mineral de Bauxite leva Angola a conceder apoio de 12 milhões de dólares à Guiné-Bissau

Luanda (Fonte: Bauxite Angola, Data: 26 de Novembro de 2010) – Angola concedeu à Guiné-Bissau um apoio orçamental de 12 milhões de dólares em troca do projecto de uma empresa angolana para a exploração mineral de bauxite, no sul da Guiné.

Segundo anunciou, em Bissau, o Ministro da Geologia, Minas e Indústria de Angola, o governo de Angola vai apoiar de “forma mais incisiva a empresa a realizar os seus objectivos na Guiné, para bem dos dois países, e essa ajuda vai incidir sobre a exploração do bauxite, melhoria do porto de Buba e do caminho-de-ferro”.

Uma linha de crédito de 25 milhões de dólares que deverá ser utilizado para apoiar iniciativas de empresários dos dois países, que pretendam investir no país, foi também anunciada pelo Ministro angolano.

Também o sector da comunicação social foi abordado pelas autoridades angolanas, que preparam o restabelecimento das transmissões televisivas da Televisão da Guiné-Bissau, que não emite há mais de dois meses.

 

5 Responses to Sequência dos acordos entre a Guiné-Bissau e Angola: Bauxite, Fosfatos, Porto de Buba

  1. Ernesto Correia Seabra diz:

    ESTES PROJECTOS TEM QUE SER….. E VAI SER EXECUTADO!!! PORQUE SOMOS UM PAIS INDEPENDENTE E SOBERANO.NÃO PODEMOS DEPENDER DOS VIZINHOS. EM PARTICULAR DO SENEGAL.TEMOS QUE SE ENTENDER, RESPEITAR UNS AOS OUTROS, RESPEITAR AS DIFERENÇAS INTELECTUAIS.ESTES DOCUMENTOS DEVE SER PUBLICADO DE TODAS AS FORMAS E MANEIRAS PARA TODOS OS POVOS DA REPUBLICA DA GUINÉ BISSAU, VEREM E PERCEBEREM O QUÊ QUE É PARA SER FEITO NA GUINÉ BISSAU, PARA BEM DOS GUINEENSES.EU SEI QUE É MUITO DIFÍCIL!!! POR ENQUANTO TEMOS O KUMBA YALA QUE ESTÁ HÁ APROVEITAR OS MAIS FRACOS DA SUA ETNIA, PARA DESESTABILIZAR O PAIS E DIVIDIR O POVO PARA MELHOR REINAR, COM O APOIO DE ALGUNS BURROS,QUE DIZEM QUE SÃO POLÍTICOS: CASO POR EXEMPLO DE SERIFO NHEME ADJO,HENRIQUE ROSA E MAIS OUTROS LEVA NO CÚ. MAIS A DEMOCRACIA VENCE E VENCERÁ!!!! FORÇO RAIMUNDO PEREIRA PRESIDENTE INTERINO DA REPUBLICA DA GUINÉ BISSAU. FORÇA CARLOS GOMES JÚNIOR (CADOGO)PRIMEIRO MINISTRO DA REPUBLICA DA GUINÉ BISSAU.E CANDIDATO VENCEDOR DAS PRIMEIRA VOLTA DAS ELEIÇÕES PRESIDÊNCIAS DA REPUBLICA DA GUINÉ BISSAU.

  2. Bf diz:

    GUINÉ-BISSAU, NUNCA VOLTARÁ AO 11 DE ABRIL E NUNCA MAIS IREMOS TOLERAR OS BANDOS DEPOSTOS VOLTAREM AO PODER.

    ACORDOS DOS UNS GRUPINHOS, COM INTERESSES PESSOAIS E PARTIDÁRIOS EM NOME DO POVO GUINEENSE, NÃO ACEITAMOS OS TAIS ACORDOS (PROJECTOS).

    O POVO JÁ PERCEBEU A MANOBRA DOS DITOS ELEITOS, QUE NUNCA GOVERNARAM EM PROL DE DESENVOLVIMENTO DE GUINÉ-BISSAU, MAS SIM POR ELES MESMO E SEUS CUMPLICES.

    A GUINÉ, NUNCA SERÁ UMA PROVINCIA DO SENEGAL E MUITO MENOS SERÁ COLONIZADA POR ANGOLA.

    ROUBAR AQUILO QUE PERTENCE O POVO E POR FIM QUERER SER SANTO LIBERTADOR DO MESMO POVO.

    SÓ PODE SER O COMPORTAMENTO DOS MEDIOCRES OU IGNORANTES.

  3. leonildo diz:

    um dia a verdade chegara e guine vai libertar dos golpes dos golpestas intrigueiros ladrão

  4. Djemberem diz:

    Oh BF!CHEGA!
    ESTA SUA FRASE JA DIZ TUDO:O POVO JÁ PERCEBEU A MANOBRA DOS DITOS ELEITOS, QUE NUNCA GOVERNARAM EM PROL DE DESENVOLVIMENTO DE GUINÉ-BISSAU, MAS SIM POR ELES MESMO E SEUS CUMPLICES
    É neste propósito que o povo confiou governação ao PAIGC, como bem sabemos que pior é entrega-lo a PRS, isso acaba por desestruturar o País, e delapidar a economia como esta acontecer neste momento. E confiou Presidência ao Candidato do PAIGC, não a Kumba Yala e seios quatros lacaios.
    Já não tens nada mas a dizer, já disse tudo em cima, você falou a verdade sem aperceber, pronto!
    Um bom dia…

  5. Eng° FIDIDA diz:

    bo Guinendadi ta admiram dé, Juro pa Nha Mamé

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.