Presidente Interino Raimundo Pereira e PM Carlos Gomes Jr. Libertados

GBissau.com*

Carlos Gomes Jr. (Esq) e Raimundo Pereira (Dir.)

Carlos Gomes Jr. (Esq) e Raimundo Pereira (Dir.)

O Presidente Interino Raimundo Pereira e o Primeiro-ministro Carlos Gomes Jr. foram libertados ao início da tarde de hoje em Bissau, momentos após o encontro entre o Comando Militar e os chefes das forças armadas da Nigéria, do Senegal e da Costa do Marfim.

De acordo com uma fonte militar em Bissau – não mandatada para falar em nome do grupo – disse que as duas figuras já se encontram a caminho de Cotê D’Ivoire (Costa Marfim) onde presumivelmente vão estar hospedados por alguns dias, antes de qualquer tomada de decisão sobre os seus futuros políticos.

Embora a reuniao extraordinaria tenha exigido o retorno à legalidade constitucional, nos círculos politicos e militares guineenses, são poucos os que admitem a possibilidade do regresso de Carlos Gomes Jr. à chefia do governo. Daí que as probabilidades das duas figuram estarem em Costa de Marfim para qualquer tipo de negociação sejam quase escassas.

Em Bissau, não houve nenhum anúncio formal e oficial por parte do Comando Militar sobre a libertação das duas figuras.

Mas, a mesma fonte militar adiantou que Raimundo Pereira e Carlos Gomes Jr. seguiram para a Costa de Marfim na “companhia de três chefes de estado maior de três países da Subregião”. Tratam-se, portanto, das chefias militares da Costa de Marfim, de Senegal e a da Nigéria.

Recorde-se que o governo de Carlos Gomes Jr. fora derrubado na sequência de Golpe militar de passado 12 de Abril. E na reunião da CEDEAO na quinta-feira em Abidjan, a cúpula Africana tinha dado um último de 72 horas para a libertação de todos presos políticos, nomeadamente Raimundo Pereira e Carlos Gomes Jr.

Se estas exigências não fossem cumpridas, a CEDEAO tinha ameaçado “impor, com efeito imediato, sanções específicas sobre os membros do Comando Militar e seus associados, bem como sanções diplomáticas, económicas e financeiras sobre a Guiné-Bissau.”

Até ontem o Comando Militar falava de apenas três prisões que incluíam também o secretário de Estado dos Combatentes da Liberdade da Pátria, o brigadeiro-general Fodé Cassamá. Ainda não se sabe se Fodé Cassamá foi libertado ou não.

Entretanto em Bissau, aguarda-se a chegada de mais uma equipa técnica da CEDEAO para começar a estudar as moldes de retorno à normalidade constitucional bem como a formação de um governo de transição com uma duração de um ano.

*Com a Contribuição de Jornalista Califa Soares Cassamá, em Bissau

 


2 Responses to Presidente Interino Raimundo Pereira e PM Carlos Gomes Jr. Libertados

  1. O mais importante e o insencial, e para o que foi venculado nos orgaos de comunicao social a proposito de retorno a ordem constituicional seja posto em pratica, nao vai ser o dito comando militar e que vai impor as suas ordens no pais a ser assim esta a ser aberta mas um precedente que mais dias ou menos dias nao vamos poder controlar a situacao:
    Estas duas figuras politicas ( Reimundo e Carlos) devem de emidiato retomar as suas funcoes para o bem do pais e do povo guineense:

  2. O dito comando militar não ditar as leis na Guiné, só têm que cumprir com o que o povo. O povo quer o retorno a normalidade democrática. Não são os militares é que fazem as leis. Tudo tem que voltar como era antes do golpe. E ainda devem ser responsabilizados pelo atraso que submeteram ao país. Imagina estas duas semanas que o país está parado! Até quando que vamos conseguir recuperar este prejuízo? Quem é que paga tudo isso? Não são só os militares os culpados. Os principais culpados de tudo são os políticos que rogam os militares a usar as armas. Os políticos guineenses quando praticam indisciplina nos seus partidos e são suspensos vão atrás dos militares para criar rebelião como forma de subir ao poder, isso não pode continuar assim. A missão dos militares da CDEAO deve durar por mais de 10 anos, assim para que o país ganhe rumo certo, porque se não há quem vai criar mais confusão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.