Ministro Fernando Vaz: “respeitamos todos os acordos assumidos pelo governo da Guiné-Bissau”

Fernando Vaz, ministro da presidência do conselho de ministros, de assuntos parlamentares e porta-voz do governo

Fernando Vaz, ministro da presidência do conselho de ministros, de assuntos parlamentares e porta-voz do governo

Bissau – O ministro da presidência do conselho de ministros, de assuntos parlamentares e porta-voz do governo, disse quinta-feira em Bissau, que a carta de transição em vigor no país, respeita todos os acordos assumidos pelo governo da Guiné-Bissau.

Fernando Vaz fez esta afirmação numa clara alusão à suspensão do acordo da cooperação militar entre a Guiné-Bissau e Angola, que pode estar na origem da paralisação de várias ações em curso no país.

De acordo com o ministro, a suspensão do acordo de cooperação com a Angola não abrange aquilo que está no acordo rubricado entre as partes.

“Eu não sei se a suspensão do acordo de cooperação entre a Guiné-Bissau e Angola abrange o que está em curso. Nós, governo de transição, carta de transição, respeitamos todos os acordos assumidos pelo governo da Guiné-Bissau. Portanto, damos continuidade a tudo o que eram compromissos do estado da Guiné-Bissau”, afirmou.

“Nós entendemos que a Angola nessa linha deverá também dar continuidade aos compromissos que assumiu com a Guiné-Bissau”, acrescentou.

Pergunta: “Caso não fôr assim?”
Resposta: “Nós analisaremos na altura o posicionamento angolano e a Guiné-Bissau irá posicionar-se também”.

Fernando Vaz disse que o atual governo herdou do executivo deposto as dívidas em atraso dos professores contratados, de novo ingresso, reintegrados e doentes, e que o assunto está a ser tratado pelo ministro das finanças.

“A questão dos professores contratados e de novo ingresso está a ser tratada pelo ministro das finanças. Encontraremos, com certeza, uma solução o mais rapidamente possível”, apontou.

Fonte: RSM

11 Responses to Ministro Fernando Vaz: “respeitamos todos os acordos assumidos pelo governo da Guiné-Bissau”

  1. Paula diz:

    Só nestas condições conseguiria este “senhor” pertencer a um governo…

  2. Dartanha diz:

    “Nós entendemos que a Angola nessa linha deverá também dar continuidade aos compromissos que assumiu com a Guiné-Bissau”, acrescentou Fernando Vaz, ministro da presidência do conselho de ministros, de assuntos parlamentares e porta-voz do gover.

    – Este sr so pode estar a chamar-se a si mesmo de um jumento, so pode. Ainda nao percebeu, pela tamanha ignorancia, da gravidade de humilhar o povo guineense e extencivamente ao povo e o Estado angolano, para estar ainda a sonhar com dolares. Mais dia, menos dia, pagarao pelos vossos vergonhosos e estupidos atos, voces e os vossos traficantes do comando militar… O tempo e’ o juiz por execencia!

  3. Munditica diz:

    Existem pessoas que pela ganância do poder tornam-se cegos e desavergonhados. São os oportunistas, pela competência nada conseguem e se necessário fôr vendem a alma ao diabo para obterem o que pretendem. São pessoas ridículas e porcas.

  4. Maria Graça diz:

    Vale a pena recordar que a União Europeia também rompeu o acordo de cooperação militar para as malditas reformas desde o golpe de Abril de depôs Zamora Induta; prisão do primeiro-ministro e ascensão do maldito Indjai à chefia das forças narco-armadas na Guiné-Bissau.

  5. Fidju Matcho diz:

    Pergunta: “Caso não fôr assim?”
    Resposta: “Nós analisaremos na altura o posicionamento angolano e a Guiné-Bissau irá posicionar-se também”.
    Fidju Matcho na punta: Nós quem?!
    A melhor resposta seria: Nós os golpistas
    E em vez da [“….Guiné-Bissau ira posicionar-se tambem”]… melhor seria dizer: a última provincia do Senegal, da Costa do Marfim e da Nigéria, cabendo a inclusão desta nova província [Guiné-Bissau] ser administrada por um dos países à quem couber a presidência rotativa da CEDEAO. Full stop!

  6. Udju diz:

    Estes senhores são uns oportunistas desavergonhados, a única forma de chegar ao poder é através dos ignorantes e traficantes dos militares e com o apoio dos outros que foram derrotados nas urnas.
    Têm os dias contados. Vão ter o que merecem não tarda.

  7. n'hikba Na Brana diz:

    O que se tem dito e escrito sobre TODOS os militares não é justo. Nem todos nós concordamos com a situação que foi criada no nosso país. Esta situação é um complot criado pelo candidato do prs e pelas chefias militares. Muitos interesses em jogo…
    A situação dentro da estrutura militar é de desconfiança. Ninguém confia em ninguém.
    Isto não demora muito mais tempo…

  8. Ndji Assanam diz:

    n’hikba Na Brana
    Sabemos que nem todos os militares concordam com o golpe e com tudo o que está acontecendo no País. Evidentemente que nem todos os militares são narcotraficantes. É realmente uma generalização injusta. Faço essa ressalva!…
    São as altas patentes, a cúpula é que estão metidos em todas estas sujidades e que mancham o nome das gloriosas FARP. E a tropa, assim como o povo é mantida na repressão, sem vôz e sem direito de se manifestar.
    Mas como não há repressão que dure para sempre, um dia a bolha vai estoirar!…
    Isso está nas mãos dos militares honestos e do povo sofrido da Guiné-Bissau.

  9. Dartanha diz:

    E’ muito triste e lamentavel constatar que a esmagadora maioria da populacao guineense se sente envergonha da sua propria forca armada, isto por si so, representa a ameaca a soberania nacional. Uma forca armada deveria ser um instrumento do povo ao servico da defesa do povo. Se assim nao for, entao sera considerada inimiga do povo e deve ser combatida pelos verdadeiros patrioticos, utlilizando quaisquer meios ao seu dispor.

    Se pararmos um pouco para analizarmos ao pormenor, todos os desacatos no pais, dificilmente excluiriamos a participacao directa dos militares! Por isso, eles representam a fonte de todos os males que nos atormentam e sao fomentadores da impunidade no pais. Ora tudo isto era de esperar deles, mas o que vem associar-se a isto tudo e que nao contavamos (nos populacao), e’ o relaxamento dos politicos mal cheirosos (de perfumes a Chulee’) com projetos vagos a espera que sejam os militares (ja rotulados de estupidos) a anularem a expressao popular tida nas urnas para que possam governar e, assim serem sinhores. Isto e’ um precedente gravissimo!

    E’ urgente implementar a reforma na forca armada, para que possamos ter uma forca que nos orgulha, como era em tempos ja remotos. Porque a atual, representa uma verdadeira ameaca a unidade nacional! A Guine-Bissau e’ um musaico etnografico. Se olharmos um pouco para a historia do pais, verificaremos que cada etnia teve a sua quota na resistencia a ocupacao e, sao raros os relatos de confrontos entre se. Isso e’ muito bonito e e’ de se preservar! Portanto, fasso apelo para que estejamos atentos e firmes na defesa da uniao do nosso povo! Banemos da nossa sociedade, os politicos e militares frustrados e mal intencionados!

    Olhem so a vergonha nas justicacoes que se teem vindos ao publico quase diariamente como o mote do golpe! Eu particularme, aquela que me deixou mais triste e’ o rompimento abrupta do acordo pra reforma da defesa e seguranca ratificado entre dois Estados soberanos e que contou, inclusive, com a participacao do atual cabessario deste golpe, o Antonio Indjai! Este homem ja conseguiu desencadear 3 golpes assaber: 1 de Abril 2010; 26 de Dezembro 2011 e o de 12 de Abril de 2012, isto e’, desde que se assumiu um lugar na hierarquia na forca armada, nao tem feito outra coisa que nao seja golpes de estado todos os anos! E ja anunciou que nao ira ficar por ai, os proximos contarao com a propria decapitacao do partido PAIGC, e nao esta’ a brincar quando o diz.

  10. Ndji Assanam diz:

    Nhu Dartanha
    Do jeito como a coisa vai, com toda esta prepotência, agressividade e blufundadi deste gajo, que chama a uma sala de reuniões antigos combatentes para os ofender e humilhar, deste jeito não tardará o próximo golpe. Desta vez para baní-lo da cena guineense. Espero que os intelectualoides pró-golpistas, que tanto aplaudiram e inflaram o ego deste n´ghaiê blufo e que consideram o golpe um facto consumado e chamam de “reposição obsessiva” a exigência do respeito à decisão do povo, não venham a se contradizer…

  11. Maria Graça diz:

    É verdade meus caros. Os intelectualoides! esses vão ficando cada vez mais reduzidos às suas insignificâncias e banalidades; Caiu a mascara; a deserção e debandada fez-se sentir no erudito bantabá de contributos inglórios.
    Que triste gentes sem pudor.

Responder a Paula Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.