PRT participa nas comemorações que marcam o primeiro aniversário da morte de Malam Bacai Sanhá

Primeiro aniversário do desaparecimento físico do Presidente Malam Bacai Sanhá

Bissau (Gabinete de Imprensa da Presidência da República, 9 de Janeiro de 2013) – Os familiares e amigos do falecido Presidente da República Malam Bacai Sanhá juntaram-se numa iniciativa conjunta, para comemorar o primeiro aniversário do desaparecimento da mesma figura nacional.

As comemorações tiveram início esta quarta-feira, 09 de Janeiro de 2013. O Presidente da República de Transição liderou a iniciativa, na qualidade de alguém que muito lidou e conviveu com o Presidente Bacai Sanhá em vida.

Neste sentido, Manuel Serifo Nhamajo em cumprimento do programa estabelecido pela organização, depositou esta manhã, coroas de flores na campa do falecido Malam Bacai Sanhá, no panteão da Amura emBissau.

Numa curta declaração à imprensa a seguir ao acto, Serifo Nhamajo disse ser “difícil substituir um homem com estatura de Malam Bacai Sanhá que, sempre procurou manter a união entre os guineenses”.

Manuel Serifo Nhamajo procedeu também esta quarta-feira, a abertura do colóquio sobre aquilo que foi o percurso político e a vida do falecido Presidente Malam Bacai Sanhá durante as últimas três décadas.

E no quadro destas celebrações, o Presidente da República de Transição Manuel Serifo Nhamajo, desloca-se amanhã, quinta-feira, 10 de Janeiro de 2013 à histórica localidade de Cassacá, onde vai inaugurar o 1º festival cultural que se insere nas comemorações da vida e história de Malam Bacai Sanhá. O tema o festival é “Bacai ka muri”.

Este espírito de ”Bacai ka muri” ficou patenteado no discurso de Serifo Nhamajo, tendo afirmado que “só com a paz e estabilidade, podemos falar do desenvolvimento, tendo apelado ainda aos guineenses no sentido de trabalharem afincadamente para que o país possa ser visto com credibilidade pela comunidade internacional”.

Publicamos na íntegra, o discurso de Manuel Serifo Nhamajo, proferido na sede da Assembleia Nacional Popular e dirigido aos familiares e amigos de Malam Bacai Sanhá, na presença do Presidente da ANP, Ibraima Sori Djaló e da viúva Mariama Mané Sanhá:

 

Excelência Senhor Presidente da Assembleia Nacional Popular,

Digníssimos Deputados da Nação,

Distintos familiares e amigos de Malam Bacai Sanhá

Senhor Coordenador da Comissão do Festival “Bacai Ka Muri”,

Senhores Convidados,

Minhas senhoras e meus senhores,

Cabe-me a honra de hoje, volvido um ano sobre o desaparecimento físico do Presidente Malam Bacai Sanhá, a 09 de Janeiro de 2012, dar início ao acto comemorativo organizado em sua memória.

Uma homenagem merecida ao Combatente da Liberdade da Pátria, ao professor-combatente, ao sindicalista, em suma ao homem e ao político que soube ao longo de anos cumprir no seu percurso político, todas as etapas, para finalmente se guindar ao cargo de mais alto magistrado da Nação guineense, sem nunca se deixar iludir ou subjugar pela ambição do poder.

Homenagem também ao homem simples e humilde, com as suas virtudes, forças e fraquezas, que nunca se distanciou, antes pelo contrário, se manteve sempre fiel às suas origens, o que talvez lhe tenha permitido nunca se desviar e perder o rumo na sua longa caminhada política.

Uma postura que lhe conferiu a imagem do patriarca tradicional, mas também do homem de convicções fortes que primando pela tolerância, sempre se manifestou aberto ao diálogo e à confrontação dinâmica e enriquecedora de ideias.

Mas falar de Malam Bacai Sanha, é sobretudo realçar o seu sonho e a sua firme convicção, de que a nossa Pátria Amada, só poderia ser construída com a unidade de todos os guineenses. Uma Pátria, em que, como ele costumava sempre dizer, “os guineenses de todas as raças, culturas, credos religiosos, opções ideológicas, pudessem conviver e reconhecer-se no somatório de valores e interesses que os unem e fazer da diversidade cultural do xadrez étnico-cultural que caracteriza o nosso país, uma incomensurável riqueza e força de união”.

E para que esta realidade fosse tangível, Malam Bacai Sanhá, apontava sempre a necessidade imperativa, de assentarmos o nosso pensamento e a nossa acção, nos valores da democracia e na busca incessante da reconciliação nacional, como condição sine qua non, para a consolidação da paz e da estabilidade, única via aberta ao desenvolvimento da Guiné-Bissau e ao bem-estar do povo guineense.

Aliás este seu pensamento, encontra-se plasmado de forma evidente e marcante, num dos seus discursos, em que aponta a iniciativa do lançamento da Conferência Nacional de Reconciliação “ Caminhos para a Consolidação da Paz e Desenvolvimento”, a cuja Comissão Organizadora tive a honra de presidir, como “uma oportunidade para que a sociedade guineense no seu todo, pudesse exprimir de forma livre, mas responsável e pedagógica, os seus sentimentos recalcados e assim exorcizar, definitivamente os fantasmas do passado recente, que vêm atormentando e condicionando o percurso histórico do nosso país”.

Acrescentaria mais adiante, em jeito de conselho e com a enorme carga de humanismo que caracterizou a sua magistratura suprema, que no processo de reconciliação nacional, devemos “ser persistentes, dar passos de forma paciente, envolver todos os segmentos da sociedade, aprofundar os debates, encorajar a denúncia das injustiças cometidas, apelar à tolerância e ao perdão, como única forma de ultrapassar as tensões que estão na origem dos conflitos no nosso país”.

Neste contexto, preocupado com a unidade nacional e sempre atento ao evoluir da sociedade e às manifestações a ela adjacentes, o Presidente Bacai Sanhá, alertou igualmente para os riscos sempre presentes, de certo tipo de manifestações e da exacerbação de valores, que ao sobreporem a identidade particular à nacional, poderiam por em causa a unidade dos guineenses, apelando à união de todos, no respeito das diferenças que caracterizam as diversas componentes da nossa sociedade.

Senhor Presidente da ANP,

Digníssimos Deputados,

Minhas senhoras e meus senhores,

 

O prematuro desaparecimento físico do Presidente Malam Bacai Sanhá, colocou a Guiné-Bissau numa encruzilhada, que exige dos guineenses, um apelo ao sentimento patriótico genuíno, para que possamos todos encontrar a melhor via para a solução dos problemas e desafios que se colocam presentemente à nossa sociedade.

Para podermos sair com sucesso desta encruzilhada, torna-se imperioso, senão mesmo vital para a coesão nacional, que saibamos todos, classe política, sociedades civil e castrense, cidadãos, sem oportunismos e tentativas de aproveitamento político, escolher o melhor caminho, que nos possa conduzir ao entendimento entre os guineenses e consequentemente, à estabilidade e à paz que tanto almejamos. Isto porque só com a paz e a estabilidade poderemos falar de futuro, de desenvolvimento, de progresso e de bem-estar para todos.

Senhor Presidente da ANP,

Senhores Deputados,

Minhas senhoras e meus senhores

Quis o destino, que Malam Bacai Sanhá tivesse surgido muito tarde na História e infelizmente, tivesse partido cedo demais, sem poder concretizar o seu sonho, de ver construída na Pátria de Amílcar Cabral, conquistada com o suor e o sangue dos gloriosos Combatentes da Liberdade da Pátria, uma sociedade de paz, progresso, justiça social e bem-estar para todos os guineenses.

Exorto pois, a todos e a cada um, para que nos ajudem a concretizar esse sonho.

Assim, a melhor homenagem que hoje, data da comemoração do primeiro aniversário do seu desaparecimento físico, poderemos prestar a Malam Bacai Sanhá, é continuar a trabalhar afincada e patrioticamente, para que a Guiné-Bissau possa encontrar um novo rumo, sem as convulsões cíclicas que têm caracterizado o seu passado recente, que nos permita restituir ao nosso país a sua identidade e a imagem de credibilidade, que a fizeram guindar-se ao patamar das Nações livres do mundo.

Com estas palavras e em nome da paz porque sempre lutou, declaro abertas as Jornadas do Festival “Bacai Ka Muri”.

 

Glória eterna à memória do Presidente Malam Bacai Sanhá!

Glória eterna aos Heróis e Mártires da Luta de Libertação Nacional!

Viva a Guiné-Bissau!

 

 

2 Responses to PRT participa nas comemorações que marcam o primeiro aniversário da morte de Malam Bacai Sanhá

  1. Nigga Big diz:

    Fico triste ao ver as autoridades do meu pais querem mostrar ao Mundo que Malam Bacai Sanha é melhor homen desta naçao, deixando para tras aquele que nos deu a nacionalidade e aquele que proclamou a independencia da nossa naçao respeitivamente Amilcar Lopes Cabral e Joao Bernardo Vieira (Nino).

  2. Ndji Assanam diz:

    Malam Bacai Sanha nunca foi “obreiro da Paz” e muito menos “da unidade nacional”. Alguém pode me apontar uma obra substancial dele que justifique est e título?

Responder a Nigga Big Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.