PRT Manuel Serifo Nhamajo ausculta sindicatos sobre a Transição

Bissau (Gabinete de Imprensa da Presidência da República, 8 de Março de 2013) – Sexta-feira, 08 de Março de 2013, dia internacional das Mulheres, dia feriado. Mesmo assim, o Presidente da República de Transição não teve mãos a medir porque também as circunstâncias o exigem e, manteve uma reunião com os representantes dos Sindicatos Nacionais.

Manuel Serifo Nhamajo registou as opiniões dos sindicalistas, em tudo o que diz respeito ao processo de Transição. Foram opiniões unânimes que, apontam para a realização das próximas eleições até 31 de Dezembro deste ano isto é, tendo em conta o período indicativo referenciado pela CEDEAO, na última Cimeira de Yamoussoukrou, Cotê d´Ivoire .

De qualquer forma, um dos porta-vozes dos Sindicatos Filomeno Cabral Presidente da Confederação dos Sindicatos Independentes, é da opinião que, “para este período de Transição, mais do que ninguém, os guineenses têm que ter o seu próprio roteiro que abarque um cronograma de atividades que vão desde a conclusão da cartografia, o início do recenseamento, o apuramento dos cadernos eleitorais e a educação cívica, esse roteiro então que possa ser entregue primeiro a Assembleia Nacional Popular para aprovação e depois entregue à Comunidade Internacional”.

Estêvão Gomes Có, Secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné-Bissau (UNTG) também é da mesma opinião apenas com um senão, “procurar antes das eleições, proceder à uma profunda reforma na administração pública guineense”. Em resumo, disse Estêvão Gomes Có, “saímos felizes deste encontro, pela clareza da situação que nos foi apresentada pelo Presidente da República e, pelo interesse e afinco que nos demonstrou estar absolutamente interessado em resolver os problemas da Guiné-Bissau com o consenso de todos e de toda a classe social”.

Este encontro entre o PRT e os representantes dos Sindicatos, acontece um dia depois de ter havido uma reunião idêntica com a sociedade civil e, dois dias depois de se ter reunido com o Conselho de Estado que, também foi ouvido pelo mesmo motivo.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.