Ernesto Dabo volta às lides musicais com o álbum «Lembrança»

Montreal, Canada (GBissau.com, 22 de Maio de 2013) – Entre as gerações dos guineenses que acompanharam os primeiros anos da independência nacional e, consequentemente, o movimento cultural que se seguiu, Ernesto Dabo deixou marcas profundas no seu agrupamento musical «Cobiana Djazz».

E desse movimento destacaram-se também José Carlos Schwarz, Aliu Bary, Duko Castro Fernandes, e tantos outros talentos, hoje autênticas marcas da história.

Tal como celebrou a gravação do seu primeiro single «M’ba Bolama», com o agrupamento «Djorson» com o Gregório de Almeida (Gundas) e os irmãos Duko e Zeca Castro Fernandes, Ernesto Dabo volta às lides musicais com LEMBRANÇA, quarenta anos mais tarde.

Este CD gravado em Montreal, Canada, é – de acordo com o cantor – «mais uma leitura e discurso profundos, cantando a sociedade guineense, o amor, a esperança e a certeza de que somos capazes de construir um futuro diferente deste presente que teima em ser nosso futuro».

O álbum com oito (8) temas estará disponível online ernestodabo.com a partir de 25 de Maio, através do portal do cantor na Internet. O lançamento oficial de LEMBRANÇA terá, entretanto, lugar em Montreal no dia 7 de Junho.

Nota sobre o CD LEMBRANÇA

 Tal como há 40 anos fez história com o primeiro disco da Guiné-Bissau e a canção M’ba Bolama, Ernesto Dabo volta às gravações com um CD que tem por titulo LEMBRANÇA, para voltar a marcar a história da musica moderna da Guiné-Bissau. Com 8 temas, este disco gravado em Montreal, Canada, é mais uma leitura e discurso profundos, cantando a sociedade guineense, o amor, a esperança e a certeza de que somos capazes de construir um futuro diferente deste presente que teima em ser nosso futuro.

Em cada um dos temas, há afirmações e projeções, tanto do ponto de vista melódico como de género musical e temático. A impressionante força interpretativa, a elegância e clareza dos textos, a convergência harmoniosa de sons oriundos de espaços culturais diferentes, fazem desta obra de Ernesto Dabo, mais um marco, mais uma referência da cultura guineense. Para além de excelente compositor, com melodias originais e bonitas, Ernesto Dabo é um poeta de apurada sensibilidade, outro facto que faz com que os textos das suas canções sejam duma lírica e profundidade pouco comuns. Enquanto cantor, possui qualidades notórias: um aveludado registo de barítono, com capacidade de subida como um tenor, o que faz da sua, uma voz com grande flexibilidade.

São poucos os que possuem na sua discoteca o histórico single em vinil, do conjunto DJORSON, com a canção M’ba Bolama, que fez de Ernesto Dabo o primeiro autor, compositor e intérprete, a “colocar a canção guineense no mundo”. Com a chegada a publico deste CD, neste ano em que se celebra o quadragésimo aniversário do primeiro disco da Guiné-Bissau, Ernesto Dabo, volta a oferecer mais uma bonita LEMBRANÇA à cultura guineense.

Ovação a esta LEMBRANÇA e a Ernesto Dabo.

 

NOTA BIOGRÁFICA ERNESTO DABO

Nos finais da década de sessenta, inicio da de setenta, um grupo de jovens artistas guineenses deu início a um movimento artístico-cultural, do qual surgiu o primeiro agrupamento de música moderna da Guiné-Bissau, o “Cobiana Djazz” e o registo do primeiro disco pelo conjunto ” Djorson”. Desse movimento destacaram-se José Carlos Schwarz, Ernesto Dabo, Aliu Bary, Duko Castro Fernandes e tantos outros.

Em 1969, enquanto aluno da Escola Prática de Agricultura D. Dinis, Paiã, Portugal, Ernesto Dabo iniciou-se como vocalista numa banda formada com outros alunos dessa escola. No ano seguinte, concluiu o curso de Agente Rural e foi recrutado para o serviço militar, indo servir na Armada portuguesa.

A convite do capelão do Grupo 2, no Alfeite, unidade em que se encontrava a prestar serviço, participou na criação de “Os Náuticos”, do qual se tornou vocalista principal. Com esse grupo, realizou inúmeros espetáculos em Portugal e em 1971 foi o primeiro artista guineense a passar na Radio Televisao Portuguesa (RTP). Nesse mesmo ano, com os Náuticos realiza uma digressão plena de êxito pela Guiné, Cabo Verde, Angola e Moçambique. Da passagem por Bissau ficou o registo de um espetáculo realizado no Estádio Sarmento Rodrigues, atual Estádio Lino Correia, em que a intervenção de Ernesto Dabo, com um repertório assente em Soul Music e Rock, surpreendeu e motivou muitos jovens a fazer música. Nesse espetáculo efetuou a sua primeira parceria com o José Carlos Schwarz, pois que o grupo Sweet Fenda a que este pertencia, fez a primeira parte.

Em Dezembro de 1971 Ernesto foi convidado para a celebração do aniversário do programa radiofónico “De manhã começa o dia” . De inicio declinou participar porque estava sem orquestra e vontade de o fazer. O José Carlos sugeriu-lhe que reavaliasse a possibilidade de participar, pois estava a aprender com o Aliu Bary a tocar música tradicional e podia-se partir disso para a constituição de um grupo e atuar no espetáculo proposto. Daí tudo mudou. Todo esse Dezembro foi preenchido com um frenético trabalho de conceção e implementação do projeto de criação do Cobiana Djazz, que se apresentou pela primeira vez sob a liderança de Ernesto Dabo, num espetáculo realizado a 2 de Janeiro de 1972, no Cine UDIB.

Em Portugal, onde residia, Dabo volta a envolver-se na criação de outro conjunto musical, desta feita o “Djorson”, com o Gregório de Almeida (Gundas) e os irmãos Duko e Zeca Castro Fernandes. Esse agrupamento gravou o primeiro disco da história da musica moderna da Guiné-Bissau, um single do qual se destacou a celebre “M’ba Bolama”, da autoria de Ernesto Dabó.

Em 1974 o artista retorna à Guiné-Bissau independente. Em Setembro desse ano, com o Cobiana Djaz, participou na comemoração do primeiro aniversário da proclamação do Estado da Guiné-Bissau em Boé.

Ao longo destes quarenta anos produziu dezenas de canções, participou em inúmeras iniciativas de indole cultural, prosseguiu a sua formação tendo concluído licenciatura e mestrado em Direito Internacional.
Hoje, Ernesto Dabó, um dos pioneiros da música moderna guineense, é um dos principais depositários da memória artístico-cultural do pós-independência do país de Amilcar Cabral.

Neste ano de 2013, celebram-se os 40 anos da proclamação do Estado da Guiné-Bissau e da gravação do primeiro disco de música moderna guineense.

Dos protagonistas desse importante período da nossa história musical existem reduzidas referências, daí o valor patrimonial deste CD de Ernesto Dabo – LEMBRANÇA

Capa do CD Lembrança - Ernesto Dabo

Capa do CD Lembrança – Ernesto Dabo

CD LEMBRANÇA – TITULOS

1- DJUSSÉ

2- BISSILON

3- DJUSTIÇA

4- KERENÇA AZUL

5- TIO LUCIO

6- YÉYA

7- TEISSA

8- BICILON

9- SABURA

 

Tudo sobre o álbum LEMBRANÇA e Ernesto Dabo no site :

ernestodabo.com

4 Responses to Ernesto Dabo volta às lides musicais com o álbum «Lembrança»

  1. Filomeno Pina. diz:

    A HORA É DO MAIS VELHO, uma óptima noticia (esta) no meio cultural, artístico e musical para todos nós, UMA VOZ HISTÓRICA que trás “Lembrança” do lugar de afectos – Guiné-Bissau – é hora de ouvirmos uma referência na Música Moderna Guineense, é HORA de redescobrirmos os cantos e contornos da sua capacidade melódica e estilo vocal de interpretação, o talento no canto, nesta voz de timbre muito especial (tanto no tom grave, como nos agudos alto/baixo). Sua voz distinta conquistou há mais de quarenta anos um lugar cativo nos nossos ouvidos, pela sua originalidade, harmonia e expressão forte na colocação de voz. Ouvimos e sentimos neste cantor Guineense, uma voz de peso, segura e única de – ERNESTO DABÓ – afinal, o mais velho! Djarama Harmôm. Filomeno Pina.

  2. Yuri Abreu diz:

    Apenas esta verdade.Quem se destacou no agrupamento Cobiana Jazz foi o Jose Carlos Schwarz e o Aliu Bari. Os restantes foram meros elementos da banda.

  3. leonildo diz:

    claro ele foi a premeira pessoa que cantou criolo da guine,por isso estamos con a anciedade do album lenbrança
    parabens

  4. Djemberem diz:

    Em 1969, enquanto aluno da Escola Prática de Agricultura D. Dinis, Paiã, Portugal, Ernesto Dabo iniciou-se como vocalista numa banda formada com outros alunos dessa escola. No ano seguinte, concluiu o curso de Agente Rural e foi recrutado para o serviço militar, indo servir na Armada portuguesa. TUDO BEM EXPLICITO.

    Tendo concluído licenciatura e mestrado em Direito Internacional, QUANDO E ONDE????? JURISPRUDÊNCIA????

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.