Comunicado: Organizações da Sociedade Civil posicionam-se contra recenseamento biométrico

Organizações da Sociedade Civil

COMUNICADO A IMPRENSA

A crise política, social e económica que assola a Guiné-Bissau em consequência dos acontecimentos de 12 Abril 2012, só pode ser superada com a criação de condições objetivas com vista ao retorno à ordem constitucional através da realização das eleições gerais previstas para o próximo dia 24 de Novembro.

Com o falhanço das metas traçadas no quadro da transição em curso no país, nomeadamente, a realização das eleições em 2012, foi criada um governo inclusivo com a missão principal de preparar o escrutínio até ao fim do corrente ano, enquanto único instrumento capaz de devolver ao povo o direito de eleger os seus representantes e, consequentemente, decidir sobre o seu próprio destino.

Contudo, a inercia e manifesta falta de vontade política das autoridades de transição traduzidas na ausência de medidas políticas, e operacionais visando a realização das eleições na data prevista, tende a comprometer mais uma vez este objetivo imprescindível para a retoma de cooperação com todos os parceiros de desenvolvimento. Nos últimos dias tem-se sucedido as declarações e posicionamentos públicos das autoridades de transição assim como de certos atores políticos no sentido de condicionar a realização das eleições com um hipotético recenseamento biométrico.

Para as organizações da sociedade civil abaixo assinantes, a realização do recenseamento biométrico não constitui, nem deve constituir condição sine qua non para a realização de eleições livres, justas e transparentes, pois a história da democracia guineense é marcada por vários pleitos eleitorais bem-sucedidos e que constituem referências a nível da democracia em África, embora baseados em recenseamentos manuais.

Por conseguinte, a persistência no recenseamento biométrico, não obstante a ausência das condições objetivas, técnicas, financeiras e temporais para o efeito, consubstancia uma clara tentativa de adiar sine die a realização das eleições gerais, e, consequentemente, criar condições para a continuidade do actual status quo caracterizado pela falta de legitimidade democrática, violações dos direitos humanos, a corrupção e clientelismo político.

Perante estes factos as organizações da sociedade civil deliberam os seguintes:

  1. Rejeitar quaisquer manobras dilatórias com o propósito das atuais autoridades se perpetuarem no poder à revelia da vontade popular;
  2. Exigir a adoção de medidas concretas com vista a realização efetiva das eleições gerais previstas para o próximo dia 24 de Novembro, reiterando para o efeito a realização do recenseamento manual, sem prejuízo de nas futuras eleições se criarem condições para um recenseamento biométrico;
  3. Alertar as autoridades de transição e a CEDEAO pelo risco iminente de a data de 24 de Novembro não se concretizar, se se persistir no recenseamento biométrico
  4. Responsabilizar as autoridades de transição e a CEDEAO pelo eventual fracasso na realização das eleições na data prevista;
  5. Apelar a comunidade internacional no sentido de rejeitar manobras políticas tendentes a criação de condições para o adiamento sucessivo das eleições gerais;
  6. Repudiar todas as ações e atitudes que visam minar os esforços concertados rumo ao retorno à ordem constitucional.

Feito em Bissau aos 15 dias de julho 2013

Assinado

Os subscritores

 

Ação para o Desenvolvimento-AD

Associação Guineense dos Estudos Alternativos-ALTERNAG

Associação dos Amigos das Crianças (AMIC)

CASA DOS DIREITOS

Confederação Geral dos Sindicatos Independentes (CGSI-GB)

FEDERAÇÃO Camponesa KAFO

FORÇA GUINÉ

Fórum Nacional de juventude e População (FNJP)

Liga Guineense dos Direitos Humanos – (LGDH)

TINIGUENA

Conselho Nacional da Juventude (CNJ)

Rede das Associações Juvenis de Bairro Militar (RAJ)

Sindicato Nacional dos Professores (SINAPROF)

Sindicato dos Trabalhadores da Saúde

Sindicato Nacional de Técnicos de Saúde e Afins (SINETSA)

Sindicato Democrtico dos Professores (SINDEPROF )

 

 

 

One Response to Comunicado: Organizações da Sociedade Civil posicionam-se contra recenseamento biométrico

  1. Tio kapadur diz:

    borgonha pa nó governantes és tudo i sinal de cuma boca mistido na kil kau bo sai la!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.