Guiné-Bissau: Plano de Urgência avaliado em 24,7 Milhões de euros

Bissau (Lusa, 16 de Setembro de 2013) –  A proposta de Plano de Urgência para a Guiné-Bissau, elaborada por uma comissão estratégica, está orçada em 24,7 milhões de euros e metade precisa de financiamento internacional, refere o documento que a agência Lusa teve acesso.

O plano foi preparado por uma Comissão Nacional de Planeamento e Coordenação Estratégica, apresentada em Julho, depois de ter sido escolhida pelas autoridades de transição do país em articulação com os parceiros internacionais e com o apoio das Nações Unidas.

O resultado é um documento que propõe 20 medidas com o objectivo de acudir às principais carências do país, de modo a que as eleições gerais – marcadas para 24 de Novembro, mas cuja preparação está atrasada – possam decorrer sem sobressaltos.

A proposta foi entregue na última semana ao Governo de transição para discussão e aprovação, referiu à Lusa fonte ligada ao processo.

O plano aponta como medidas prioritárias, “mitigar a ameaça de fome derivada de uma má campanha agrícola, combater a epidemia de cólera, garantir transfusão de sangue 100% segura e sanear o clima de tensão sócio laboral reinante nos sectores da educação e da saúde”.

Para devolver paz às escolas públicas, hospitais e centros sanitários, está prevista a criação de um fundo no valor de 5,8 milhões de euros para pagar ordenados em atraso “aos professores, aos médicos e aos enfermeiros, com vista a garantir a paz social e para que os serviços públicos possam retomar o normal funcionamento”.

Metade do orçamento do Plano de Urgência (12 milhões de euros) está reservada para ajuda alimentar à população, cujos contornos vão ser definidos após o inquérito que está a ser realizado pelo Programa Alimentar Mundial (PAM) e pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO).

Uma outra parcela de 297 mil euros será destinada a circunscrever e combater a cólera, “evitando que a doença se alastre ao resto do país e que aumente a mortalidade devida à epidemia”, refere a proposta de plano de urgência.

Há ainda uma fatia significativa, no valor de 5,6 milhões de euros, proposta para equipar os cinco blocos construídos através de um projecto do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) no Hospital Simão Mendes, “numa perspectiva de urgência humanitária”.

A execução do Plano de Urgência “é da responsabilidade do Governo, através dos departamentos competentes, em estreita colaboração com as organizações da sociedade civil, o sector privado e os parceiros de desenvolvimento”, refere o documento.

São sugeridas diferentes reuniões regulares e grupos de acompanhamento, assim como uma gestão assegurada por terceiros, escolhidos em consenso pelo Governo de transição e parceiros de desenvolvimento.

No final, o plano será “avaliado e auditado por um gabinete internacional”, conclui.

One Response to Guiné-Bissau: Plano de Urgência avaliado em 24,7 Milhões de euros

  1. sukuro diz:

    PERGUNTO QUANTO TEMPO E QUE FALTA PARA ELESOES ? SE E SERIO VAMOS DEIXAR ESTE PLANO PARA PROXIMO GUVERNO QUE E DO VONTADE DO POVO ISTO E SE DEIXAREM O POVO EXPOR A SUA VONTADE OU ESTE PLANO E DE RABATA RABATA ANTES DE ACABAR O TEMPO E ESTRANHO QUE ESTE GUVERNO NAO SEI SE E CHAMAR GOVERNO PORQUE FIZERAM TUDO MENOS GUVERNAR[ATE SE PODE CHAMAR DESGOVERNO]VEM FALAR QUANDO FALTA ALGUNS DIAS PARA ELEISOES PLANO DE URGENCIA PRECISAN DO DINHEIRO PARA BANCO QUE TEEM EM CASA TIPO Nando Vaz .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.