Nô Kriol: “Tchur Garandi” – Krónicas di Mussá Baldé

Mussá Baldé, Jornalista
Nô Kriol: Krónicas di Mussá Baldé

Nô Kriol: Krónicas di Mussá Baldé

Tchur Garandi

Pronto. Aonti Guineenses cumpanha Dr. Kumba Ialá Kobdé Nhanca pa si ultimo casa, na Amura.

I foi bonito. I foi um cerimonia bunitu dimas. I Tchur garandi. Tchur de Lanté Ndan. Utrus tchora. Ma I ca tchiu.

Djintis sinti cuma é na cumpanha Lanté Ndan cu paga si kinhon na tarbadju di cumpu terra. Djintis tchiu banan, ma I mas odjadu presença de lanté ndans cu sé tchepens (barriti) burmedju.

I assim ki ta fassidu na tchur de Lanté Ndan. Tudu kin ki lambé ten cu pui si tchepen pa bai cau di tchur si ca sin abo i ca di rispitu. Cerimonia fassidu na dus lado. Estado fassi honras ku ta dadu a um antigo presidente di Republica, Lanté Ndans toca Finkilin é djamu Koumba….i conta si matchundandi otchal rapaz, otchal matchu na tabanca, na Pkon, na Bula, otcha I na djuga, é conta tudu kin ki Koumba. É carmussa, é mostra kin ki Koumba. I foi bonito.

Bonito tanbi I foi discurso ku Dr. Delfim da Silva fassi sobre figura e percurso politico de Dr. Kumba Iala. I fala na Parlamento cuma Kumba Ialá I era alguin cu ta protegi kilis cu Estado bota na bocana. Kilis cu ca tene voz, kilis cu Republica ca ta djubi. Delfim da Silva cuma Kumba Ialá fassi si revoluçon pabia el, cu si djitu, I consegui tici kilis pa mandjuandadi di no terra.

Um cussa son cu ami nca gosta. Nca sibi kin cu pui mindjer de Kumba Iala, Elisabete Iala lei discurso de elogio funebre na nome de familia de defunto. I cata fassidu pabia i sta abalada. I foi mau demais.
Dipus Muçulmanos toma curpo é raçal, até porque Kumba Ialá tubi antis di murri (ami mmati na kil dia na Gabu), el I di familia de Laila Ilalaw Muhadan Rassulalah. Dipus I cumpanhadu apé desde Parlamento té na Amura.

Djintis garandi di terra rindil ultima homenagem. I lebadu I bai discansa na si casa. I dadu 21 salvas de canhão.

Nota do Editor: Este texto foi escrito em crioulo guineense e com esta rúbrica, a GBissau pretende promover também o valor literário do crioulo da Guiné-Bissau. Todavia, o seu conteúdo é da inteira responsabilidade do seu autor.

 

6 Responses to Nô Kriol: “Tchur Garandi” – Krónicas di Mussá Baldé

  1. Alfa diz:

    Dr. Kumba Ialá Kobdé Nhanca grande Lanté Ndan Bo meresi es horans tod pa deus pateu gloria

  2. Alma-beafada diz:

    Bem: pelo o que constatei nesta crónica do sr. Mussa Baldé, diz-me algo que me faz acreditar de que o sr. é um conhecidor das raízes étnicas e culturais Guineenses. Sendo assim,nós, ( os Guineenses )deveriamos passar a exigir (pedir) aos nossos irmãos estudiosos desta matéria (imagino que seja mas no mínimo, sei que existem) que passem a empenhar mais em termos de esclarecer (ajudar) aos outros menos esclarecidos de que a nossa diversidade étnico-cultural é uma das razões inegaveis que podem fezer com que os outros povos do mundo nos reconheçam como um povo sábio, um povo possuidor de conhecimentos invulgares. Coisas que só existem na nossa Guiné. Fálem das nossas coisas boas. É que temos tantos que os outros não conhecem. Só sabem das nossas fraquezas, das nossas divisões tanto como eles gostam ver…

  3. yndi yndi diz:

    QUERIDO IRMÃO; OBRIGADO!
    OBRIGADO PELO TEXTO E, PELA FORMA E AS PALAVRAS UTILIZA NÃO EM CRIOLO MAS SIM, EM DIALECTO GUINEENSE (BALANTA) QUE, É, O ORGULHO DE TODOS OS BISSAU GUINEENSE SEM DISCRIMINAÇÃO.
    PARA DAR MAIS UM CHEIRINHO A ESSE SEU MAGNIFICO TEXTO, PERMITA-ME RESUMI-LO COM ESSA ÚNICA PALAVRA: FANTÁSTICO!
    A VERDADE BEM DITA DITA, É QUE, OS GUINEENSE SÃO CAPAZES QUANDO QUEREM.
    PEÇO E ROGO A SI AOS OUTROS GUINEENSE QUIÇÁ, QUE QUEREM ESCREVER EM CRIOLO DA GUINÉ QUE PROCUREM AS NOSSAS GRAFIAS NAS IGREJA EVANGÉLICA DA GUINÉ CONCRETAMENTE NO CENTRO DE ESTUDO BÍBLICO DE N`TCHOMBÉ POIS, ESTE CENTRO ATE ALIÁS PUBLICOU MUITAS EDIÇÕES E A “BÍBLIA” A JÁ VÁRIOS ANOS E CRIOLO E COM AS GRAFIAS GUINEENSE.

  4. Peter lopes diz:

    Caro Irmao e compatriota,

    Parabens por este texto impar! Foste mergulhar no fundo de uma das tradições da Guiné-Bissau, a dos Balantas. Fiquei maravilhado com a tua facilidade em escolher termos e expressões que traduzem o ritual de “Tchur Garandi” na cultura balanta. Mais do que isso, senti uma verdadeira sinceridade na tua narraçao, ou sejas nao tenho dúvida que viveste a cerimónia no coraçao. A semelhança do discurso Magnífico do Delfim, tu Mussa foste impecável e muito orginal na tua crónica.
    Parabens!

  5. Feia diz:

    Senhor Mussá,o seu pequeno e GRANDE TEXTO em criolo fez- me dirigir-lhe em poucas palavras:N’na n’gabau:Porque o jornalismo não é somente formar e informar;mas sim estudar,pesquizar,descubrir,escrever,conhecer a constituição do seu povo, as localizações das regiões do seu país,as leis,as trdições, etc.etc etc…E o senhor Mussá Baldé reuniu essas condições aqui citadas.O SENHOR ESTÁ DE PARABENS…..

  6. HERNANI ERNESTO DIAS diz:

    PARABÉNS PELA VALORIZAÇÃO DA NOSSA LITERATURA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.