LGDH: Os restos mortais de Eng. Mamadú Bobo Baldé chegam a Bissau na madrugada da terça-feira

Nota informativa

A Liga Guineense dos Direitos Humanos recebeu uma denúncia dos familiares de Eng. Mamadú Bobo Baldé sobre as circunstâncias da sua morte numa das celas da Polícia Nacional de Angola, no dia 23 de Março 2014.

Segundo a família, a vítima era um Enginheiro civil que residia em Portugal e fazia prospeção de negócios em Angola, onde foi detido no dia 11 de Março. 12 dias depois da sua detenção foi encontrado morto nas instalações da polícia angolana em circunstâncias por apurar.

Volvido mais de um mês deste acontecimento trágico, os restos mortais de Eng. Mamadú Bobo Baldé chegam a Bissau amanhã terça feira 29 de Abril 2014, por volta das 3 horas da manhã.

Por forma a esclarecer as circusntâncias do desaparecimento físico deste cidadão guineense e a pedido da LGDH,  uma equipa técnica da polícia Judiciária incluindo um especialista em medicina legal vai examinar o corpo do malogrado antes de ser transportado para Xitole sua terra natal onde será sepultado no mesmo dia.

Eng. Mamadú Bobo Baldé, de 45 anos, emigrou-se para Angola no dia 26 de Janeiro 2013, com os objectivos de procurar melhores condições de vida, acabando por encontrar este fim trágico.

Mamadú Bobo Baldé, morto em Angola

Mamadú Bobo Baldé, morto em Angola

Este caso junta-se à morte em circunstâncias por explicar de António Maurício Bernardo numa das celas na 23ª esquadra da Polícia Nacional de Angola a 19 de Março 2014, para além do  desaparecimento forçado desde julho de 2012, da jornalista Ana Pereira, conhecida por Milocas.

A LGDH considera de inaceitável que cidadãos guineenses sejam alvos de perseguições, detenções arbitrárias e assassinatos na República irmã de Angola. Por isso, exige mais uma vez, às autoridades angolanas no sentido de abrirem com caracter de urgência, inquéritos transparentes com vista ao esclarecimento cabal destes casos e consequente tradução à justiça dos supostos responsáveis morais e materiais de tais actos hediondos e criminosos.

Uma delegação presidida pelo Presidente da LGDH estará no Aeroporto internacional Osvaldo Vieira para testemunhar a chegada do corpo deste cidadão nacional e solidarizar-se com a família neste momento doloroso.

Pela Paz, Justiça e Direitos Humanos!

3 Responses to LGDH: Os restos mortais de Eng. Mamadú Bobo Baldé chegam a Bissau na madrugada da terça-feira

  1. Manuel Castro diz:

    Descança em Paz, Mamadú!…

  2. Peter lopes diz:

    A diplomacia guineense nao existe! Cada dia, cidadaos guineenses sao raptados torturados e assassinados em circunstâncias obscuras em Angola, e em Bissau ninguem mexe. Incrível esta atitude das autoridades deste país. Tudo isso tem a ver com o medo ou complexo a República de Angola? Só uma certeza tenho, nem todos os guineenses sao complexados para com Angola. Ha que pedir explicações ao governo angolano sobre mortes de compatriotas em celas de polícia. O governo de Bissau tem que assumir a sua responsabilidade em desvendar a verdade desta cronologia de mortes.

  3. mamadu pate djalo diz:

    a diplomacia guineense não funciona porque todos dia escutamos casos que acontece com os que esta em angola mais nunca ouvimos resposta de autoridade guineense pedimos os futurais autoridade para nos ajudar estamos ca em angola

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.