Representante da ONU rejeita que tráfico de droga seja principal preocupação na Guiné-Bissau 

Bissau (Angop, 4 de Junho de 2014) – O representante das Nações Unidas na Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, rejeitou terça-feira, em comunicado, a ideia de que o tráfico de droga seja a principal preocupação na Guiné-Bissau, tal como referido segunda-feira pela Interpol e por outro representante da ONU.

“Em mais de um ano de presença activa no país, José Ramos-Horta nunca observou que este seja o principal problema”, escreve-se num comunicado do Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS).

No documento, Ramos-Horta considera que problemas mais graves “são a rapina das florestas e dos mares, a má gestão dos recursos nacionais, a extrema pobreza e a corrupção”.

“O tráfico de droga na Guiné-Bissau é diminuto comparativamente a outros países da região que certos interlocutores internacionais não têm a coragem de identificar, arranjando no entanto coragem para apontar o dedo ao país mais fraco, que é a Guiné-Bissau”, refere.

Ramos-Horta lamenta que ao longo de mais de um ano nunca tenha havido resposta aos apelos que fez para uma “mobilização imediata de recursos visando a capacitação aérea e marítima para pôr cobro ao tráfico de droga e à pesca ilegal” no país.

10 Responses to Representante da ONU rejeita que tráfico de droga seja principal preocupação na Guiné-Bissau 

  1. Go Namam diz:

    a observação de Ramos Horta é muito correcto. A Guiné-Bissau é um estado muito frágil. Por isso todos tenham coragem de o apontar o dedo.

  2. N'tory diz:

    Tristeza

  3. Udé diz:

    Concordo plenamente com a observação do Ramos Horta. Para quem vive na Guiné-Bissau e vive os problemas de cá sabe que o tráfico de droga não é uma realidade do país. Com isso não quero dizer que não há drogas ou traficantes, mas é infima face aos reais problemas identificados pelo sr. Ramos Horta.

  4. Baldé diz:

    Sinceramente esse homem é guineense,desde que chegou a bissau tem sido mostrado a solidariedade e honestidade no seu trabalho e amor a essa patria fraca que sempre é atacada pela comunicaçao internacional,Jesus disse”como pode tirar a palha no olho do teu irmao enquanto que o seu tem tronco”,somos victimas de informaçoes,com certeza temos difeitos mas nao mais do que aqueles que nos espreitam.
    Se a Guiné-Bissau é o mercado da droga queria perguntar: quem tem dinheiro para compra-lo em bissau? quais sao os paises furnissedores,porque nao temos campo da lavoura desse produto? qual é a destinaçao desse produto? e a quantidade? sabemos muito bem do que se fala noutros paises entao poupem-nos dos vossos argumentos,vamos vencer essa luta como sempre incha Allah!

  5. Olho de Hórus diz:

    O produto é produzido por alguns países da América-Latina como: Colômbia, Venezuela, Bolívia, etc; e consumido nos países como: EUA, Europa, Canadá, etc. Mas nem um destes países são chamados de narcoestados, mas a coitada da Guiné-Bissau, que só é a via do transito do produto, é apelidado de narcoestado.

  6. bubacar candé diz:

    caros irmao so nos podemos fazer fim a isso.pra que isso seja uma realideda devemo-nos unir em 1 so voz.

  7. etu diz:

    pois, se calhar, essa é a primeira vez q tou de acordo com esse senhor. relativamente ao trafico de drogas, lembro vezes sem conta o ex primeiro ministro Carlos gomes júnior pedir ajuda a comunidade internacional para enfrentar esse flagelo. e fizeram o quê??? NADA!!!!!!!!!!!! Sabendo que, a quantidade da droga que numa só noite circula nos EUA não circula um ano na Guiné. mas lá se diz, a corda sempre arrebenta por lado mais fraco!!

  8. Hombedjo diz:

    Antes de mais, quero felicitar o Sr. DR. José Ramos Horta da forma abnegada como conduziu o difícil processo que ninguém estava disposto a enfrentar, depois do famigerado golpe de estado. Para mim, V. Exa. é também um verdadeiro GUINEENSE. Defende incansavelmente como poucos, a honra da nossa Guiné-Bissau.
    Estado narcotráfico é claramente manobra dos nossos detratores e é uma forma flagrante de covardia internacional. Esta é sem margem para dúvida uma estratégia que visa atacar a nossa reputação e colocar-nos aos olhos da comunidade internacional como o mais delinquente de todos e de forma fácil e desejosa proclamar a nossa pátria amada com um estado falhado, com isso pensam que conseguirão distrair os menos atentos. Deixando a Guiné-Bissau sem qualquer credibilidade perante os nossos pares, a via fica aberta para depredação dos nossos cobiçados recursos, alias é o que está a acontecer neste preciso momento. É uma espécie de “palabra di magru na kau di fola baca”.
    Agora pergunto, quem é que está a beneficiar com este grande embuste lançado ao nosso país e por conseguinte, a todos nós? Quem?

  9. Bidanmatcha PIres Hopffer diz:

    Na verdade a´guiné-Bissau é um país pobre, com dirigentes polítcos curuptos tem que sofrer por tudo e todas as acusações, tendo em conta, a complexidade da crupção que os nossos dirigentes têm. e não só alhas em 100% de povo guineense 99,9% nao conhecem a droga mesmo apesentado sem dar informação. Exemplo caso de Biombo, as populações fizeram-lhe adubo, que destriburá varias produção. defacto o grande mestre de ensinamento que fez muito para Guiné-Bissau, José Ramos Horta diz verdade. obrigado por tudo que fez pela Guiné-Bissau e Ofrece os nossos dirigentes o espirito patriotico de cabral talves seja melhor.

Responder a Bidanmatcha PIres Hopffer Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.