Primeiro-ministro anuncia criação de Museu de Resistência

Bissau (ANG, 5 de Agosto de 2014) – O Primeiro-Ministro da Guiné-Bissau anunciou  no domingo a criação de um  museu de resistência em honra e memoria aos trabalhadores que perderam a vida durante o massacre de Pindjiguiti, ocorrido a  3 de Agosto de 1959.

Domingos Simões Pereira  que falava aos jornalistas, na cerimónia de comemoração do 55º aniversário do massacre de Pindjiguiti sob o lema “ para uma justiça laboral mais célebre e eficiente”, revelou que  o museu de resistência aos trabalhadores que tombaram no massacre de Pindjiguiti será criado com o  intuito de os visitantes puderem  conhecer a história do massacre de Pindjiguiti.

Por outro lado , o Chefe do  Executivo garantiu que o seu Governo irá  melhorar as condições de trabalho aos funcionários público.

“O aumento do salário na função pública e a reforma do estado dependem do Governo e da  colaboração de todos. Temos que trabalhar mais, devemos controlar as nossas receitas internas e acabar com a corrupção”, disse Simões Pereira.

Por sua vez, O Secretário-Geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG) , Estevão Gomes Co considerou que os sucessivos Governos submeteram os trabalhadores à uma morte lenta com o não pagamento dos salários incompatíveis com o nível de vida. Estevão  Có adiantou que  essa” é  a dura e bárbara realidade laboral do país em pleno século XXI, século dos direitos dos povos , da globalização e da tecnologia avançada”.

O Secretário-geral da Confederação Geral dos Sindicatos Independentes da Guiné-Bissau (CGSI/GB)  destacou  que esta data simboliza a resistência dos trabalhadores guineenses durante mais de 55 anos de sofrimento, desespero e de promessa incumpridas do passado, na     esperança  de um  futuro melhor.

Filomeno Cabral disse que essa situação é   bastante  preocupante, razão pela qual “o governo deve  criar melhores  condições laborais aos funcionários do estado”.

A cerimónia terminou com a deposição de coroas de flores no monumento dos mártires de Pindjiguiti.

A data, 3 de Agosto assinala o dia em que, em 1959, um grupo de marinheiros inconformado com o salario protestou junto do patronato para que os ordenados  fossem aumentados. Os protestos terminaram com uma repressão policial  que custou a vida a mais de 50 marinheiros do cais de Pindjiguiti ,em Bissau.

ANG/PFC/SG

One Response to Primeiro-ministro anuncia criação de Museu de Resistência

  1. Força Domingos Simoes Pereira, força trabalhadores e força Juventude.Tenha coragem de que um dia,Guiné-Bissau vai mudar.Com o DEUS, tudo é possivel.Esse novo governo,tem energia para o trabalho.Cada um de nos, tem que dar a sua contribuiçao para o desenvolvimento do Pais.Todos nos tem que fazer o maximo possivel, para este pais possam sair neste dificil situaçao.

Responder a Carlitos Ca Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.