Caso Ébola: UPG encoraja apoio de parceiros de desenvolvimento

“…afirmar que o ébola pode chegar a Portugal tendo como porta de entrada a Guiné-Bissau, parece-nos ser uma afirmação alarmante, de má-fé, exagerada e descontextualizada” – Fernando Vaz, líder da União Patriótica Guineense

Bissau (GBissau, 29 de Outubro de 2014) – A União Patriótica Guineense, UPG, através de um comunicado de imprensa que tivemos acesso, afirma que o seu papel é fazer uma oposição responsável, consciente e construtiva às autoridades do país proveniente das últimas eleições realizadas há pouco mais de 100 dias, embora admitiu não esquecer da difícil e frágil conjuntura política, económica e social.

No documento assinado por seu líder, Fernando Vaz, o partido reconheceu que a Guiné-Bissau é um país que obrigatoriamente deve ser apoiado pelos parceiros para que os governantes possam pôr os interesses nacionais e a reconciliação dos guineenses acima de todos os outros interesses que caracterizam e marcam a política na Guiné-Bissau.

Nesta perspectiva, a UPG alerta as autoridades nacionais para não permitir que a dignidade e a honra dos guineenses sejam postas em causa como outrora, secundarizando-nos e denegrir a imagem da Guiné-Bissau, citando-a sempre pela negativa.

Em relação à situação do ébola e da prevenção no país, o comunicado da União Patriótica Guineense avisa que se as autoridades portuguesas sabem por que porta entrará o ébola em Portugal, que deem a receita preventiva aos americanos e aos países Europeus, bem como aos guineenses para que a Guiné-Bissau não constitua um perigo para Portugal.

A UPG lembra que dada a interação globalizante do planeta, qualquer país é vulnerável à entrada do ébola, como aliás já se verificou na Europa e nos Estados Unidos.
“Deste modo, afirmar que o ébola pode chegar a Portugal tendo como porta de entrada a Guiné-Bissau, parece-nos ser uma afirmação alarmante, de má-fé, exagerada e descontextualizada.

Contrariamente à explicação da OMS, segundo a qual é improvável a transmissão da doença em países como a Guiné-Bissau e Costa do Marfim”, informa o comunicado.

Para este efeito, esta formação política na oposição pediu as autoridades nacionais para não permitir que os guineenses sejam perseguidos e descriminados por este mundo fora.

Segundo o documento, o partido pensa que será mais construtivo e ainda no quadro de um relacionamento saudável e profícuo não arriscar indicar qual o país que é porta de entrada do ébola na Guiné-Bissau, apesar dos parcos meios conseguiu-se travar, até agora e graças a Deus, a sua entrada, pelo que agradece qualquer ajuda para reforçar a capacidade preventiva e eventual combate.

Igualmente, pediu ao Governo no sentido de criar condições urgentes para que as ajudas destinadas à prevenção e eventual tratamento não se esbarrem com a burocracia das tramitações aduaneiras.

Em relação aos bolseiros guineenses na Rússia e Marrocos, o documento afirma que há falta de informação suficiente sobre a matéria, pedindo ao Governo para informar e tomar medidas mais esclarecidas relativamente à epidemia no país, enfatizando que até hoje, felizmente, não se registou nenhum caso de ébola.

Concluiu, dizendo que a Transportadora Aérea Portuguesa, TAP, apesar da boa vontade das autoridades lusas, mas face às dificuldades operacionais crescentes da companhia, define-se primeiro com os seus interesses e de Portugal, pelo que é o momento da Guiné-Bissau voar com as suas próprias asas – ter uma Companhia Aérea Nacional.

GBissau.com | Seco Baldé Vieira

19 Responses to Caso Ébola: UPG encoraja apoio de parceiros de desenvolvimento

  1. Ainda estamos a espera do avião que este senhor prometeu para breve.como é do seu contume tem que começar a falar barbaridade para ter lugar no governo.tipo de gente como este senhor a Guiné Bissau estará bem entregue.kkkk

  2. Papagaio Bardade Nanque diz:

    Sr. UPG (ou melhor Sr. Vaz, como queira),

    1. Não podemos confiar às cegas na OMS, porque falamos de uma epidemia perigosa que tem matado milhares e porque a OMS não é lá totalmente confiável. A vida dos guineenses não pode depender da OMS. Concordarias com isso, eu sei, como concordo que temos que ter lá a nossa companhia, nossa, ainda que saiba que é sonhar demais. Mas quando falas companhia nacional queres nacional mesmo ou estatal?

    2. “… o partido pensa que será mais construtivo e ainda no quadro de um relacionamento saudável e profícuo não arriscar indicar qual o país que é porta de entrada do ébola na Guiné-Bissau…” Como é? O senhor estava a brincar? Será mais construtivo, meu senhor, vermos as coisas como são e chamá-las pelo nome. Porque ébola, conspiração ou não, é real e está a matar. E mata mesmo. Se um país como a Guiné Conacri é provável porta de entrada da doença, temos que dizer. Se o Senegal, temos que dizer. E nos prevenir.
    3. Se a TAP está com medo do ébola que não temos, graças a Deus, que esteja, é livre para isso. Todo o cuidado é pouco, diz-se. Mas que a TAP saiba que também é uma potencial propagadora do vírus que teme transportar para o seu país querido PortoColo. E a nós nos resta reconhecer que somos uma país miúdo, ainda ranho verde. Por isso passamos por tudo isso e depois, nada sai.

    Força sr. UPG, na sua oposição responsábel, consciente e construtiva.

  3. Eduardo Gomes diz:

    Dizer que a G-bissau pode ser a porta da entrada do virus De Ebola a Portugal isto desacordo, porque qualquer pais pode ser a porta de entrada, sendo a Guiné-Bissau como outros Paises lusofonos ou nao lusofonos. Caso de associar a Guiné-Bissau nos Paises que estao afetados da doença do Ebola està a ser verificado em algumas jornais, hà dois dias um jornal Marroquino incluiu a Guiné-Bissau em vez da Guiné Conacri entre os Paises que estao afetados pela epidemia do Ebola e, pode estar na origem de nao dar visto de entrada aos estudantes Guineenses que se encontram em Dakar hà mais de dois meses pedindo visto sem resposta concreta, dizendo isso hoje e amanha outro.

  4. Zeca da Silva diz:

    a guine bissau precisa de pessoas responsáveis para enfrentar a situação que o pais enfrenta . por favor mantenha calado a espera da sua vez

  5. Baldé diz:

    Ola meu caro amigo Jose Caliba acho que devemos ser realistas, com certeza ele o Vaz nao é homem ideal para falar deste assunto mas como guineense tem direito apesar do silencio da nossa autoridade, o Portugal merece respostas duras porque é falta de respeito para os guineenses e nao é a primeira vez que este tipo de declaraçoes envolve o pais, o Portugal nem sequer pode lavar a sua casa como pode ele ajudar os outros. Sempre somos alvo de discriminaçao, a ébola, a droga,corrupçao, tudo o que é mal é a guiné porque somos fracos,basta!!!

  6. Nandassi Mendes diz:

    Posso não gostar daquilo que dizes, mas desta vez fizeste aquilo que as nossas autoridades deviam ter feito quando se proferiu esta declaração.Infelizmente ficamos com o rabo entre as pernas quando se trata de Portugal.

  7. Rachido Djalo diz:

    Este senhor que se cale, a Guine-bissau nao percisa de ti ja robaste muito dinheiro devias e estar na cadeia.

  8. Lénine Semedo diz:

    Parabens mas o senhor nao é politico é negociata da primeira deixa a politica e faça o mais gostas promesteste mil coisas nada fizestz golpista mor e chantagista da fila…entao cade o AVIAO ?

  9. Lifna Salvadsor diz:

    que bom Fernando boa conselho. estas certa desta ves

  10. Udé diz:

    Assim é que é de fender o país quando está a ser injustamente maltratada. Portugal tem mais conexão com Alemanha, Espanha e outros do que com Guiné-Bissau. Ainda me lembro de Portugal ter chamado virus de HIV de virus da Guiné-Bissau.

  11. anonimo bissau diz:

    Este sujeito de baixo nível não tem moral, nunca quis, não quer e nem quererá o bem da Guiné-Bissau. A melhor coisa que pode fazer neste momento é CALARA A SUA BOCA, para não comprometer com nada!!! pessoas como estas não merecem respeito ou consideração… falta-lhe o escrúpulo- não tem vergonha na cara de falar ainda sobre a Guine Bissau… isso se chama PUXA SACO( barri padja) OPORTUNISTA!!!

  12. tchetche Mballo diz:

    C

  13. tchetche Mballo diz:

    CALA A SUA BOKA N TENS MORAL PARA FALAR SOBRE A GUINE

  14. Sr Balde sera que percebeste o que eu disse?este senhor quando estava no governo muitas coisas aconteceram e nunca se preocupou,só agora que se preocupa em defender o país?a esploracao de areas pesadas de varela,contratos com empresas pesqueiras,abate de madeira tdo no seu governo e por ultimo os sirios.é muito facil enganar as pessoas com patriotismo.espero que leias bem os meus comentarios,pq nunca se pronunciou quando se falava da corte de madeira pelos chineses que a nossa riquesa?com todo respeito um abraco

  15. João Quimaia sanhá diz:

    A Guiné-Bissau é uma propriedade colectiva, umaa pessoa particular ainda que que rouba o que é do colectivo não pode continuar a ter voz nos assuntos do país pois o consideramos um traidor. Nunka massss no ka mity!!!

  16. viti diz:

    Mas nao entendo porque e que este gajo ainda nao esta dentro da cadeia ou sera que o novo procurador esta a estudar o dossie, o que e que fizeste para saude das populacoes quando quando estiveste no governo apesar de nao ser o ministro da saude mas eras o SUPER MINISTRO. Mandam este satanas para prisao.

  17. viti diz:

    UPG- SIGNIFICA UNIAO DAS PESSOAS GOLPISTAS a sigla valeu mesmo nao engana ninguem KKKKKKKKKKK

  18. Ntchama Sala diz:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk essa e boa senhor viti UPG- SIGNIFICA UNIAO DAS PESSOAS GOLPISTAS ,concordo 1000%

  19. ibo camara diz:

    este senhor quer enganar quem? de partiota nao tens nada, vai gastando tudo que robas te de ^povo cala a boca que e melhor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.