“População deseja profunda revisão constitucional” – Presidente da ANP, Cipriano Cassamá

Bissau (Diário Digital, 15 de Fevereiro de 2015) – O presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP) da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá, revelou na segunda-feira que a população se questiona sobre se o país deve ou não ponderar uma alteração “radical” à Constituição semipresidencialista.

“Será que o nosso modelo semipresidencialista anda de boa saúde? Vamos preservar o modelo vigente e limitarmo-nos apenas a corrigir as suas prováveis deficiências, as conhecidas lacunas, ou será que vamos ter que ponderar uma alteração mais radical do regime constitucional”, questionou.

Cipriano Cassamá falava na tomada de posse da comissão parlamentar de revisão constitucional, que inclui elementos de todos os partidos representados na ANP.

A atual Constituição de 1996 “deixa espaço para diferentes interpretações”, o que acaba por provocar conflitos políticos e militares crónicos, alertou Seidiba Sani, deputado do PAIGC e presidente da comissão:

“A Constituição tem que ter disposições claras e muita precisão”, sublinhou. Na próxima semana, a comissão deverá reunir-se para definir um cronograma de trabalho.

3 Responses to “População deseja profunda revisão constitucional” – Presidente da ANP, Cipriano Cassamá

  1. vensam gomes diz:

    A revisão contitucional não é o caso mais alamante na constituição da republica. O senhor deputado da assembleia da republica estes são os casos mais focante da sua vida, não tem algumas casos prominores, na convista politica, à basse alargada no poder politico para o desenvolvimento do pais? Imagine com a nova revisão constitucional pelas suas propostas é que vai trazer o desenvolvimento do pais?
    O senhor deputado, não mete à çgua na fervura por favor. O senhor deputado não tem progetos nessa basse alargada ao desenvolvimento do pais. Muitos deputados da guiné bissau so pensam de criar os seus partidos politicos na basse de aquisissões da moéda do estado sem preconceitos do desenvolvimento do pais!
    Não estou de acorrdo com criações de tantos partidos politicos assim como tantos ministros e tantos sécretarios/as. porque o pais é tão pequeno para percorrer essa meta.
    Do meu ponto da vista quero um politico que cria os seus proprios meios para o desenvolvimento da pais.

  2. MB diz:

    Que população é essa, nhô Cipriano?

  3. O senhor presidente do parlamento guineense, Cipriano Cassama, disse que os guineenses estão a questionar sobre a possíbilidade de eventual alteração constituicional e questionou se atual regime “semi-presidêncialismo” está bem de saúde? Gostaia de saber se alguns ou maioria dos guineenses que querem alteração ou só para inteteses de um grupinho dos individuos para possívil centralismo do poder numa só figura, o de presidente da república? O atual regime, por mim, está bem de saúde e é e será melhor regime para o nosso país, tendo em conta a nossa cultura
    De maneira nenhuma podemos adoptar o regime “presidêncialismo”a nossa cultura de democrática ainda está muito rudimentar e, é preciso explicar os cidadãos o em geral e promover o referendo. Por mim, alteração constituicional, não é real problema cimeiro e prioritário do nosso país, o real problema do nosso país atualmente é proceder a reconciliation nacional, tentar resolver os problems mal resolvidos. Os problemas entre as instituições do estado, nomeadamente entre presidência da república e o governo, cada um deve atuar em conformidade constituicional, sem imiscuir nos ssuntos de outrém. Há uma responsabilidade política do governo perante presidente da república, isso sim, mais é simplesmente o conselho que o senhor presidente pode e deve dâr ao primeiro -ministro e o parlamento é o fiscal do governo. Neste caso, o governo tem duas responsabilidades: a da presidente de república e a de parlamento.Por outro lado, há quem diga que os últimos conflitos políticos e militares ocorridos na sociedade guineenses foram os frutos constituicional, bom eu não sei, se é verdade ou não! Os viciosos cíclos dos conflitos ocorridos nos últimos anos entendo como sendo frutos dos problems oriundos de tempos atrás mal resolvidos: ódios, intrigas, mentiras e, entre outras situações. O real problem da guiné Bissau, atualmente será lutar contra a corrupção generalizada no aparelho do estado.Tentar na medida de possívei organizar administration pública, apostar no estado social e criação de uma cooperativa para a populacão poderem escoar os seus produtos agricolas, o estado será grande comprador e exportador para evitar estragos e prejuízos. Apostar fortemente na justiça, para na verdade, os empresários nacionais e estrangeiros podessem ter coragem para
    poderem investir no nosso
    país. Para terminar, gostaria de deixar um apelo aqui aos nossos parceiro dos desenvolvimentos nomeadamentes: a união europeia, comunidade de estados do oeste africano, nações unidas, banco africano do desenvolvimentos, a união africana e outros amigos da guine Bissau, que continuem apostar e acreditar no nosso país. Vem aí em março deste ano, a mesa redonda, que espero traga bons resultados e ganhos para a guine Bissau. Aceitem aqueles abraços fortes e calorosos de Mário Imbaná

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.