Universidade Lusófona da Guiné: visita do primeiro-ministro Simões Pereira

Bissau (Gabinete do primeiro-ministro, 16 de junho de 2015) – No âmbito da jornada académica alusiva a Estratégia de Desenvolvimento e Financiamento e do Memorando de Entendimento rubricado entre o Governo da Guiné-Bissau, representado pelo Ministério da Educação Nacional e o Grupo Lusófona, a convite do Prof. Doutor Esmeraldo de Azevedo (Conselheiro do Presidente Estratégia e Diplomacia) do Grupo esteve ontem, dia 15 de junho, na Universidade Lusófona o Primeiro-Ministro, Eng. Domingos Simões Pereira.

Durante a visita o Primeiro-Ministro preferiu uma importante alocução de incentivo “a primeira geração de escolares guineenses que vão resultar da própria capacidade interna de produzir” aconselhando-os a “não desperdiçarem a oportunidade de assumirem um compromisso com a excelência”.

O magnifico reitor Prof. Doutor Rui Jandin realçou a honrosa presença do Chefe do Governo nas instalações da Universidade, dizendo que se trata “de um académico por excelência, até por uma questão de paixão e de convicção. Ele sempre gosta de estar no seio académico, dos jovens, estudantes para a partilha de conhecimentos e experiências no processo do ensino e aprendizagem.”

Simões Pereira que atualmente é um doutorando em ciências politicas internacionais da Universidade Católica de Lisboa, foi membro do conselho científico da Lusófona do Porto,  recebeu medalha de honra pela mesma Universidade e foi professor da Universidade Católica de Moçambique, depois desejar aos participantes uma boa jornada académica, disponibilizou-se para a partir do próximo ano também proferir conferencias nessa instituição. Ao falar das possibilidades que as cátedras oferecem aos alunos de questionarem tudo, disse: “Questionar sem especular, formar hipóteses e com base nessas hipóteses conhecer as teses que sustentam ou não essas hipóteses e fazer conclusões sem fechar à porta a novos exercícios para chegar as novas conclusões”, rematando que o nosso país, como uma sociedade muito nova precisa de começar a relativizar tais conhecimentos.  E, que a Universidade normalmente ensina a ser-se relativo, a questionar teses, a por em causa determinadas afirmações e deixando no final à porta aberta para que outros também possam tirar as suas conclusões. Ainda, alerta que o momento convoca a todos a contribuir para a construção de uma sociedade que possa se afirmar, se conciliar e se desenvolver. Mas, que para que isso aconteça tem que haver um compromisso com a verdade, onde se é capaz também de se cultivar as competências por formar a poder servir o nosso país.

Os alunos do Curso de Engenharia Informática fizeram uma demonstração pública da aula pratica, montando um computador.

O ato foi presenciado pelo Secretário de Estado do Ensino Superior, Dr. Fernando Dias e pelos administradores, prof. Doutor António Fiuza e prof. Doutor Colaço.

 

Bissau, 16 de junho de 2015

Carlos Vaz

Conselheiro de Comunicação e Informação

One Response to Universidade Lusófona da Guiné: visita do primeiro-ministro Simões Pereira

  1. Albino diz:

    Investe mais para construir as universidades em todas as regiões do país para que o país se desenvolve, só com a educação severa para mudar esse nosso pequeno país e tirar todos aqueles funcionários públicos incompetentes e começar realizar os concursos públicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.