Grande Reportagem: “Fui descartado para o balde do lixo” – ex-jogador da seleção de futebol da Guiné-Bissau, Banjai Indjai

  • “Estou decepcionado com a minha terra. Fiz a minha parte e eles não conseguem fazer a sua”

Bissau (GBissau, 19 de Julho de 2015) – “Fui descartado para o balde do lixo” minutos após ter sido lesionado a jogar pela seleção de futebol da Guiné-Bissau, em Bissau”, denuncia Banjai Indjai.

A tal lesão coloca aparentemente uma grande interrogação à volta da vida e da família do jogador guineense.

Por Braima Daramé, na cidade do Porto, Portugal*

Era tudo um mar de rosas. A família de Banjai vivia sob à alçada do pé direito do defesa central. Era o pilar central, o sustento familiar. Até ao maldito momento em que se sentiu dores repentinas no joelho direito, em pleno relvado do maior estádio de futebol nacional – 0 24 de Setembro.

Tal como vários jogadores guineenses que militam no futebol europeu, Banjai despediu-se da única filha e da sua esposa para ir representar a pátria que o viu nascer, num jogo de alto risco, frente à República Centro Africana. Um jogo a contar para apuramento para a fase de grupos do passado campeonato africano das Nações.

Sempre que ia jogar pela equipa nacional, Banjai regressava à casa com prendas que ajudavam a família a matar as saudades. Só que da última vez, foi diferente. O jogador voltou de muletas, cheio de dores no joelho e com o pé direito inflamado. Era o início de uma história com um final triste e doloroso para ele e a família do jogador.

Banjai Indjai, ex-jogador da seleção de futebol da Guiné-Bissau com a família

Banjai Indjai, ex-jogador da seleção de futebol da Guiné-Bissau com a família

No passado dia 12 de julho – um domingo – fiz mais de três horas de estrada desde Lisboa até à cidade do Porto, no norte de Portugal, para constatar realmente como é que a família do craque guineense vem lidando com a depressão do jogador, que tanto ama a sua pátria.

Havia passado um ano e meio desde aquele fatídico momento que desfez em zeros, as poucas poupanças que o jogador amealhou, quase a sua vida inteira.

No Porto, fui de imediato para a casa de um dos capitães dos “Djurtus”, Ivanildo Soares Cassamá que, entretanto, prontamente disponibilizou-me a sala do seu apartamento de luxo nos chamados prédios novos, situados numa zona isolada da cidade e com uma bela paisagem.
Passados quinze minutos, o telefone de camisa 10 de Académica de Coimbra  tocou. Era Banjai a pedir que o Ivanildo abrisse a porta para ele entrar.

Calmo e sereno, Banjai com um tom afável começou por cumprimentar-nos. De seguida, convidou-me a conhecer a Vila Nova de Gaia, com o propósito de melhor prepararmos a entrevista que, na sua opinião, seria um grande desafio.

No seu automóvel não tinha o deposito cheio de combustível, mas estava cheio de energia para exprimir a mágoa que acumulou ao logo dos últimos anos de sacrifícios. O jogador não ostentava muito luxo, apenas um relógio suíço (Swatch) no pulso, talvez para contabilizar o tempo perdido.

Banjai Indjai, ex-jogador da seleção de futebol da Guiné-Bissau com a esposa Rita

Banjai Indjai, ex-jogador da seleção de futebol da Guiné-Bissau com a esposa Rita

Já no seu apartamento moderno, encontrei a família em peso na sala, a ver o canal brasileiro TV Globo.

Mal começámos a gravar, reparei que ele estava tenso. Com os olhos vermelhos, a voz tremia de raiva.

Começou por lamentar a sua situação. Pude ver a mãe abraçando os filhos, incluindo o ex-capitão da seleção nacional, o irmão Braima Indjai. Todos chorraram.

Palavras fortes de Banjai: “Lesionei-me durante a primeira parte do jogo. Mas fui o último a entrar no autocarro da seleção no final do jogo para hotel, isto graças aos meus dois colegas – Anjú e Yakinta que me apoiaram e me ajudaram a levantar-me do chão”.

“No dia seguinte, o médico da seleção foi visitar-me ao hotel, sem nada para acalmar as dores. Aliás, não sabia, em concreto, que tipo de lesão é que eu tinha. Limitou-se apenas a colocar gelo no joelho. Era mundo de dor insuportável. Nessa altura, tinha apenas a ajuda do colega Ivanildo”, lembrou.

“Tive que antecipar a minha viagem para Portugal, por conta própria. Porque só conseguia andar de muletas, pedi ao colega Erikson para ajudar-me a despachar as malas aquando do check-in em Bissau. Ninguém mais da Federação ou do Governo quis saber de mim. Fui descartado para o lixo”, acusa o futebolista.

“Com a gravidade da lesão, o meu clube em Portugal recusou-se a renovar o meu contrato, pois eu ia parar quase um ano e meio. Entretanto, eu estava mais preocupado com a operação cujo preço seria mais de seis mil euros. Graças a Ivanildo, consegui o médico da seleção de Portugal que fez a operação. Paguei do meu bolso, depois insisti com a Federação Nacional de Futebol da Guiné-Bissau até que me devolveram o dinheiro”.

“Depois da operação, o presidente da Federação, Manuel Irenio Nascimento Lopes, o Secretário de Estado dos Desportos, Tomás Barbosa, e o Diretor Geral dos Desportos, Carlitos Costa, visitaram separadamente a minha casa. Fizeram montes de promessas que até hoje ninguém cumpriu”, revela.

“O Tomás Barbosa disse que é muito religioso. Pediu-me para fazermos orações ao Senhor…”
“Se ao menos, a seleção tivesse um seguro para proteger os jogadores ao serviço da seleção nacional, a música seria outra. Mas não. Nada. Aliás, tentei ativar o seguro do clube que pediu apenas um relatório da Federação relativamente ao jogo em que me lesionei. Um documento para efeitos de justificação. Nem isso foram capazes de enviar! Pergunto: o que fiz para merecer essa maldade tão gritante?” interroga o ex-titular da seleção nacional.

“E agora? Já não tenho dinheiro para pagar a fisioterapia. Já não consigo sustentar a minha família. Vivo da solidariedade dos amigos há mais de um ano e meio. Os meus projetos e a minha obra em Bissau, tudo está parado. A minha vida está arruinada. Não sou jogador do Benfica, nem do Real Madrid para arrecadar milhões. A minha equipa servia para o ganha-pão de cada dia, para sustentar a minha família. E agora?”.

“Tenho casa para pagar mensalmente, luz, água, a escola da criança, impostos, transporte, o tratamento”. Segundo o ex-jogador, custa-lhe 35 euros por dia para fazer a fisioterapia e ter acessp ao ginásio, “já para não falar da alimentação e das despesas com a minha família na Guiné-Bissau que depende em grande parte de mim. Pergunto: será que não são humanos para perceber a minha situação?”

“Estou decepcionado com a minha terra. Fiz a minha parte e eles não conseguem fazer a sua. É triste. Assim, como podemos culpar quem se recusar em ir jogar pela nossa seleção principal?”
No final, acabei ainda por conversar com o irmão Braima Indjai, a esposa Rita e a cunhada Djamila Vieira, que não esconderam a sua revolta por aquilo que chamam de “tratamento desumano” a que Bandjai foi sujeito da parte da Federação de Futebol e do atual Governo da Guiné-Bissau.

Dirigindo-se a mim, um outro jogador disse: “Não tens a noção do que se passou com esta família, Braima. Espero que esta entrevista possa despertar a consciência das pessoas que lideram com o futebol na Guiné-Bissau. Arruinar a vida inteira de uma família, só por uma mera negligência, não é admissível hoje em dia”, disse em poucas palavras Ivanildo Soares Cassamá que presenciou a entrevista.

Jornalista Braima Daramé da Rádio Jovem, na cidade do Porto, 12 de Julho de 2015.

16 Responses to Grande Reportagem: “Fui descartado para o balde do lixo” – ex-jogador da seleção de futebol da Guiné-Bissau, Banjai Indjai

  1. Euclides Gomes diz:

    Prezados

    Esta entrevista nos deixa muito envergonhado a todos, creio que como amantes de futebol e que cre que uma dia o nosso futebol pode mudar algo, temos a obrigação moral de fazer alguma coisa para arecadr fundos com objetivo de pelo menos ajudar o Banjai a segurar o tratamento.

    Não vai adiantar andamos ai a buscar os culpados, se temos a força de fazer alguma coisa para o Banjai assegurar o seu tratamento.

    Com base nisso, se o Braima Darame ou o Editor da Gbissau.com conseguirem ler a minha mensagem gostaria que eles entrassem em contato comigo para discutirmos algumas ideias que possa servir como forma de angariar valores para minimizar a vergonha nossa.

    Att

  2. Duarte Costa diz:

    Não é preciso pedir muito , estamos numa era moderna por isso tenham vergonha e assumem as vossas responsabilidades, recuperando o homem o atleta.

  3. ture baçiro diz:

    É muita tristéja e é vergonhoso para a nacão. É penóso para elle. Un patriota que luta tanto para a nação que mostrou a patriotísmo tanto faz jogador como outros utuis merresêm immensso recompenssa. Se a recompensa de elle é esta. Como que um patriota vai ter corragem de ajudar o país? Temos que mostrar bom exemplos não é mau exemplos porque isto é pessimo exemplo

  4. joão correia diz:

    Ola!
    Sinto muito e é tão triste.
    Mas, para acabarmos com estas brincadeiras em todos os sectores do país, é preciso que o povo deixe de ser ignorante e coloque em mente que se deve lutar para o bem comum. A maioria dos nossos governantes gastam milhões, criam intrigas, vão ao “Djambakus, Iran…” para serem nomeados porque não têm noção do que é governar, liderar. Eles pensam apenas em encher os seus bolsos a todo o custo.

    É altura de mudarmos a forma de estar, exigir mais. Não é possível continuarmos com governantes permanentes e muitos com altos cargos mais de 20 anos e sem fazer nada.O povo é que tem que acabar com essas brincadeiras.

    Abraço Banjai, não te conheço pessoalmente, mas, tenha muita coragem, dias melhores está a caminho tanto para ti como para a Guiné – Bissau.

    Força
    JC

  5. osvaldo almeida diz:

    Poderia chamar, uma série de 20 jogadores , que poderiam elevar o nível da nossa Selecção que jogam aqui em Portugal. Uma vez perguntei a um alto dirigente , mas com tantos jogadores, porque não o x, y, z ,etc.
    Coisas da terra, ” utrus ta tchamado, mas é ca bai paga, papés tb ca bai paga. Sera?
    Penso na verdade a culpa é da Federação, que não Segura os profissionais de futebol neste caso e destroem o sonho de uma família. Não se incomodem se um dia passarmos a jogar só com jogadores do campeonato nacional . No minimo deviam assegurar o contrato do jovem até a sua reabilitação. tenham vergonha.

  6. Elizabeth da Silva diz:

    Um bom jogador que se disponibilizou para representar a sua Pátria e é abandonado à própria sorte depois de uma grave lesão. Isto é uma grande vergonha para o país como também para todos os guineenses.
    Vamos todos dar a voz a esta causa para que a Federação e o Governo façam algo para reparar esta triste e lamentável situação que em nada abona o nosso país.
    Força Banjai!

  7. Nboma diz:

    É inacreditável, um país que não da nada pelo contrário tira-lhe tudo mesmo o que a pessoa construiu-se com sangue e suor. Isto é crime, não pode ser… O governo tem q criar uma pensão vitalício para o Banjai pq é um herói nacional….bem haja

  8. Nelson Gonçalves Nogueira Mota Lemos ( Canana) diz:

    Tive o privilégio de ser seu treinador na U.D.Oliveirense. Grande ser humano, um homem com H muito grande.

  9. Nadeze Lima diz:

    Binhan cuma um dia tudo na passa i nona bim cumé toque no limbi mon…
    Máá és na bim tarda dé!!! Pabia assim!!! Dá raiva e vontade de dizer nunca mais…
    Lamento muito irmão Banjai, por ti e pela a Guiné que temos.
    Tamos juntos nessa

  10. Inacreditável isto é falta de respeito para com uma pessoa que labutou muito pela sua pátria , os nossos governantes não têm noção de responsabilidade ficam a gastar dinheiro torto esquerda para direito sem saberem o que fazer a inventar festivais, concertos , montagens de palcos etc… DSP, JOMAV e CC, vejam lá o que conseguem fazer para este nosso grande herói que apanhou bala no pleno combate. Um Abraço Banjai força DEUS i garandi. Lúlu

  11. Gil diz:

    Infelizmente não é a 1ª vez que isto acontece. Quero manifestar a minha solidariedade e disponibilidade para ajudar naquilo que for possível.
    Gil (antigo jogador da seleção da Guiné Bissau)

  12. Cipriano diz:

    Lamento…

  13. Augusto diz:

    ontem foi apresentado na sua nova equipa

  14. Va Das Pesadas diz:

    Pena por parte do nosso governo, assim me pergunto como que é que o outro jogador vão querer dar a uma contribuição para a selação sabendo que, se acomtece algo assim como do Banjai Indjai so ele é vai se prejudicar 100 apoio do Governo……..mto triste isso hein….

  15. Lovoalo Brito (Ló) diz:

    Amigo Banjai, tens de ter forças para superar esta fase menos boa da tua vida, infelizmente o que aconteceu, não é novidade pra ninguém. As pessoas não tem noção do que é um pai de família estar sem trabalho e sem outros rendimentos aqui na Europa, neste caso, em Portugal. Vais superar esta fase com ajuda dos familiares e amigos, mas também que te sirva de exemplo. Aquele abraço. LÓ

  16. domingos gomes (Mimi) diz:

    Em primeiro lugar gostaria de enderecar o meu comentario ao jogar familias ,amigos que o suportam nesse momento de dor, e em segundo lugar vou identificar a minha pessoa , sou domingos Gomes de 54 de idade guineense , casado, com filhos e vivo me em new York city a mas de vinte anos. Olha da minha parte lamento muito o seu caso e apelo milagry do senhor para a sua melhoras e rapidas recuperacao , nao vou re prometer nada mas gostaria de conversar contigo pessoalmente ,nao vou comentar nada sobre a guine bissau todos nos sabemos que tipo de pais e governantes que temos , mas pronto ( kada kussa ku kumsada ma I ta tem si fim)para mim nao nao vou diner ate conversar contigo dai sim , mas uma vez coragem e melhora is menus sinceros cumprimentos e em expecial o jornalista que preocupou muito com o seu problema e nao so mas sim de todos os guineense obrigado jornalista obrigado amigo jogador obrigado a que dream as suas contribuicoes atravez dos comentarios by by , guine e nossa .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.