Ministério Público da Guiné-Bissau ordena saída de governo demitido

Lusa (Bissau, 3 de Junho de 2016) – O Ministério Público ordenou hoje aos membros do governo demitido da Guiné-Bissau que abandonem as instalações do executivo durante o fim de semana, anunciou o gabinete do Procurador-Geral da República em comunicado.

A ordem vai no sentido de “os membros do Governo cessante procederem à desocupação livre e ordeira das instalações do Palácio do Governo num prazo não superior a 48 horas”, refere-se no documento.

A equipa de maioria PAIGC, liderada por Carlos Correia, não reconhece o governo empossado esta semana pelo Presidente da República, José Mário Vaz, e acusa-o de ter violado a Constituição.

Como forma de protesto, o executivo demitido tem ocupado de forma pacífica o Palácio do Governo.

O novo Conselho de Ministros sob liderança do primeiro-ministro Baciro Djá reuniu-se na última madrugada e decidiu criar uma comissão interministerial para negociar com os elementos cessantes a sua saída daquelas instalações.

A comissão é integrada por quatro ministros e dois secretários de Estado e é chefiada pelo titular da pasta da Energia, Florentino Pereira.

4 Responses to Ministério Público da Guiné-Bissau ordena saída de governo demitido

  1. É uma vergonha o tem passado neste na Guiné Bissau
    Deixam guineense viver em paz

  2. Bobiry diz:

    Nao ha pior sordo de quem nao quer ouvir portanto e’ perder tempo
    A autoridade publica nao tem nada para negociar com delinquentes
    E’perder tempo q ja nao ha

  3. honorio co diz:

    a guine bissau agora se tornou um país monarca.onde as pessoas nascem no poder e vivem no ate a morte .

  4. Levis Jara diz:

    As atitudes dos ex-governantes demitidos são inqualificável. Que eu saiba foi primeira que isso aconteceu. Deviam recorrer aos tribunais se achavam que tinham a razão.O que aconteceu foi ânsia pelo poder e uma palhaçada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.