Conselho de Ministros da Guiné-Bissau rescinde acordo de resgate aos dois bancos 

GBissau (Bissau, 17 de Junho de 2016) – Na sua segunda reunião, esta sexta-feira, o Conselho de Ministros da Guiné-Bissau decidiu rescindir o acordo de resgate aos dois bancos comerciais privados estimado em 34 bilhões de CFAs.

A decisão de executivo de Baciro Djá afigura-se como a primeira resposta às preocupações do Fundo Monetário Internacional (FMI) que recentemente anunciou a possibilidade do cancelamento de apoios à Guiné-Bissau, caso a situação não fosse revertida. 

A operação de resgate aos dois dos quatro bancos comerciais privados da Guiné-Bissau já estava em curso, fruto de um acordo assinado pelo governo de Domingos Simões Pereira em Julho de 2015.

O então ministro da Economia e Finanças, Geraldo Martins, justificou a medida com a necessidade de injecção de fundos públicos para salvar o Banco da África Ocidental e o Banco da União.
Que o governo considerava em riscos de falência, devido aos créditos mal parados.

A tal medida de alocação do empréstimo contraído pelo Estado guineense “para a limpeza da carteira de créditos mal parados”, com alegou Geraldo Martins na sua nota de esclarecimento, causou um mal-estar entre o FMI e as autoridades governamentais da Guiné-Bissau.

No âmbito do seu programa com o país acordado em Julho de 2015, o FMI tinha exigido à Guiné-Bissau para que revertesse a sua decisão de resgate sob o risco do cancelamento dos empréstimos financeiros no valor de 24 milhões de dólares.

Ainda não há detalhes sobre o impacto que esta decisão governamental pode causar nos meios bancários do país. Todavia, segundo uma informação ainda não confirmada pela GBissau.com, no acordo estabelecido pelo governo anterior, os dois bancos podiam exigir o mínimo de 3 bilhões (metade para cada um), no caso de rescisão desse compromisso de resgate.

Na reunião do Conselho de Ministros foi também aprovado o Programa do Governo que será posteriormente submetido à Assembleia Nacional Popular para análise, debate e possível aprovação. O novo governo discutiu as suas prioridades para os primeiros 100 dias de governação.

 

10 Responses to Conselho de Ministros da Guiné-Bissau rescinde acordo de resgate aos dois bancos 

  1. Ervy diz:

    Uma boa decisao o país précisa de resgatar a credibilidade junho dos parceiros internationale pricipalmente com o fmi

  2. Vensam Gomes diz:

    O conselho dos ministros do governo de Basiro Djà tem anuciado o rasgato de 34 bilhões de Cfa, dos dois bancos privados residente no pais, para programa do seu governo. Como vimos que este governo esta atravessar o caminho de desacordo com o apoio do FMI! Por motivos da queda do governo de Domingos Simãos e Péreira do ano 2015. Como temos vistos de varias manobras que tem orquestrado o partido PAIGC de não deixar à governar o pais! A respeito das desconfianças de mau governaçãos e das desconfianças de ter envolvidos de varios menbros do seu governo nas alégados cruptos do governo da terra Ranca.
    Neste momento estamos muitos atentos e também as comunidades internacional, sobre governo de Bassiro Djà, nas manobras de formação do governo! A Guiné-Bissau jà sofreu varias décadas das situaçãos semelhantes à esses que o governo do Domingos Simãos e Péreira estava encaminhado. Mas por ultimo não deu certo! Por isso eles queriam continuar agarado ao poder com força! Inqueitos, engigindo que democracia devia ser respeitada. Esse tipo da politica não passa à ser as manobras de ficar agarado ao poder! Como tem passado com o ditador Nino Veira. Que tem agarado à varias décadas ao poder com politica de desatrozas ao povo da Guiné-Bissau.O pais està farto deste tipo de manobras do governação!
    Aconselhos à todas as cumunidades enxistente no pais, neste momento o pais precissa à participação de todos cidadãos na busca de bom concenço para o desenvolvimentoem do nosso pais! Sem quaiquer intrigas que venha à por os danos morais dos cidadãos nacional.

  3. Miguel Lima diz:

    Quem rescindiu o contrato de resgate aos bancos foi o MEF – Dr. Geraldo Martins. Existem provas sobre essa matéria para quem necessita pesquisar a verdade. O governo inconstitucional que está sob liderança do Baciro Djá, infelizmente, tentou agir sobre a matéria mas percebeu logo que o assunto já havia sido tratado pelo excelentíssimo Dr. Geraldo Martins. Existem provas…

    • Mister Estrategico diz:

      Miguel traga a prova q vc tem, para podemos ter certeza do q estas a afirmar, é so para ajudar o comunicado de rescinsao do contrato!

  4. Klôfétche diz:

    Porque tanta barrulheira, se ainda era possível salvaguardar o mal, se é menor ou maior, mesmo se fosse o outro governo, hoje persona non grata, podia seguir mesmas pegadas, havendo eminencia de perigo de tal suspensão de apoios. Mas vamos de uma vez por todas desabituar os políticos assaltar o poder.

    Não sou a favor de ninguém, nem contra outrem, sou a favor da estabilidade venha ela dendo vier, seja quem é capaz de a promover, porque só mas só, com a estabilidade podemos sonhar o resto. Ela é alicerce de tudo, incluindo a tal credibilidade que se diz querer resgatar.

    A credibilidade não se resgata com comportamentos antidemocráticos, com a hostilização politica dos nossos adversários, com guerras de palavras com insultos, com bloqueios, enfim, com posturas arrogantes, que acabam hipotecar a tal credibilidade, mantendo-a ainda mais submersa que nunca.

    Vamos continuar a pensar a Guiné positiva.

  5. Devemos amar uns aos outro , se o amor não eseste não a paz. Se eu amo meu próximo não o desejo o mal.

    Precisamos de um líder que tem amor no coração. Mas amor de verdade que vem de ALTÍSSIMO ( DEUS ).

  6. Duarte Mané diz:

    Meus irmãos, para quê eleições na Guine-Bissau? Só para gastar dinheiro? Quando é que um governo eleito governou este país? Eu não me lembro. Se alguém se lembra, que faça o favor fazer-me recordar.

  7. Zito josé Casanova diz:

    Espero que tudo vrai bem, desde momento que haja un entendimento entre os dois partidos. Ja é hora de TRABALHAR nao temos e nem quermos falar pela boca, mas sim mostrar o accao, mostrar o que podemos fazer.

  8. Se o anterior governo o fez para salvaguardar uma situação difícil para os bancos comerciais e fé-lo com total transparência, nada que o julgue mal nesta matéria. Fazendo-o de forma e para fins contrários, isto sim, devem responder por isso.
    Se este governo fez o que fez à bem da Nação, nao vejo problema nenhum. Caso contrario, mais tarde o país pode ser desacreditado por isso.
    Um conselho: Nao há na historia das dezenas de governos nesse país que herdaram sem levantar o véu, mesmo que nada por detrás dele houvesse um santo!
    Não defendo nem sicrano nem beltrano, mas sou à favor de um Guiné mindjor.

  9. umaru balde diz:

    Muito bom, resgatar os proprios bolsos.

Responder a Suleimane Balde Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.