Guiné-Bissau: Governo de Baciro Djá demitido, pela segunda vez

GBissau (Bissau, 14 de Novembro de 2016) – O Presidente da República da Guiné-Bissau disse decidir pela demissão do actual governo de Baciro Djá “face à ausência da unanimidade na escolha de um novo primeiro-ministro” durante os encontros para a implementação dos acordos de Conacri. José Mário Vaz fez conhecer a sua decisão esta segunda-feira, no seu discurso à nação.
Para o Chefe de Estado guineense, “tudo tem a sua hora certa” e o que “importa apenas é falar a verdade”. E nas palavras de Mário Vaz, todos os contactos encetados para a aproximação dos 15 deputados expulsos do PAIGC — de acordo com o ponto 10 dos acordos de Conacri — não surtiram efeitos, apesar de um trabalho desenvolvido por um Grupo de Contacto criado posteriormente pelo Conselho de Estado. Tratando-se de um “problema da natureza partidária”, de acordo com Mário Vaz, a falta de reconciliação interna inviabilizou o cumprimento dos acordos de Conacri.

O Chefe de Estado disse ter exercido o seu papel como o mais alto magistrado da nação, tendo privilegiado o diálogo e ouvido todas as partes. Mas, a sua “paciência” foi extrema, afirma José Mário Vaz, para depois adicionar em crioulo de que o “povo kansa”. E para por fim à crise, o Chefe de Estado diz serem necessárias “alterações na governação do país” que sejam representativas e inclusivas.

Para o Presidente da República da Guiné-Bissau, “chegou a hora de mudança e a hora do trabalho.” E esta mudança começa com a demissão do governo de Baciro Djá. A sua substituição, de acordo com Mário Vaz, não requer uma unanimidade entre as partes desavindas.

Baciro Djá, Primeiro-ministro demissionário da Guiné-Bissau

Baciro Djá, Primeiro-ministro demissionário da Guiné-Bissau

O decreto da demissão do governo de Baciro Djá é esperado nas próximas horas. O Presidente da República da Guiné-Bissau tinha nomeado Baciro Djá, pela segunda vez, para o cargo de primeiro-ministro no dia 26 de Maio de 2016. A primeira, em Agosto de 2015, tinha sido inconstitucional, de acordo com uma decisão do Supremo Tribunal da Guiné-Bissau, o que teria forçado a sua demissão.

Desde à sua última nomeação o governo de Baciro Djá não conseguiu agendar a discussão do Orçamento de Estado e o seu programa de governação na Assembleia Nacional Popular. A ANP guineense tem sido inviabilizada faz quase dois anos.

 

10 Responses to Guiné-Bissau: Governo de Baciro Djá demitido, pela segunda vez

  1. Que bom ter demitido este governo incapaz.

  2. Gilson AmadúBari diz:

    Demitir o governo de Baciro Dia não é problema mas quem é que vai ser o novo primeiro ministro caso não devolve poder o PAIGC…..

  3. manuel macedo diz:

    A GUINÉ-BISSAU VIVE UMA MALDIÇÃO.

  4. Iaia Reinaldo diz:

    Fale a pena d demissão desta governo pq nos povos já esta cansado com essas tiatros dos nossos governantes incapazes

  5. abdurahamane diz:

    o jomav esta a brincar com a nação. ele de renunciar o poder.

  6. abc diz:

    Gente pequena!

  7. Alma queita diz:

    Aiiiii guine q allah faz o povo deacansar o paigc q acaba com este partido da luta e danos partido da recpnstruçao nacional

  8. Upelu kituk diz:

    Seria a solucao do nosso problema? penso que naa. A soluçao passa pela dimissao ANP eté do mesmo presidente.

    • Mamar Sanhã diz:

      O grande problema da chama-se José Mário Vaz. Este sim, é que devia pedir demissão e com isso provocar eleições antecipadas.

  9. Antonio Kabunanar Gomes diz:

    o parlamento julgara….

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.


Fatal error: Call to undefined function get_HitsMechanic() in /home/afrowa6/public_html/gbissau.com/wp-content/themes/NewsMagazine/post-single.php on line 48