Opinião: Guiné-Bissau: Fé Cristã e/ou Muçulmana

Seria bom que cada guineense abandonasse a sua zona de conforto habitual onde sempre teve respostas aos sucessivos insucessos pessoais e, abraçar a via soberana de paz e da guineendade. Se um ex-governante se sentir a necessidade de justificar o seu amor ou ódio para com a religião católica e/ou muçulumana, que o faça com toda a honestidade, sem hipocresia e sem FINTAS CURTAS.

Por Adulai Djaló “Lai” | wyado@hotmail.com

A sociedade guineense conquistou o seu lugar no xadrez político e socio-cultural das Nações enquanto sociedade de homens e de mulheres despidos de todos os préconceitos raciais, religiosos, etc etc. Tanto assim que o Estado guineense, proclamado unilateralmente a 24 de setembro de 1973 em Madina de Bohé, se identifica como laico onde o homem pode gozar de todos os direitos universais e assumir a sua responsabilidade perante suas ações em prol do bem-estar coletivo.

Lamentavelmente, tenho constatado, a través da escrita no FB e em intercâmbio de correspondências telefónicas e de mensagens tidas entre guineenses, o recurdescência de posicionamentos quasi-extremistas assentes em argumentos explícitos e/ou nebulosos fundamentados numa pertença à duas das três crênças religiosas com maior adepto na Guine-Bissau.

Amigos e quasi-irmãos se transformam, dia após dia, em seres extranhos com mente prenha de ódio e alma contaminada de pólvora prestes a acabar com o outro campo de fé e de prática religiosa assim que a oportunidade se revelar propícia…

Ora, a história regista páginas sombrias de conflitos interreligiosos fúteis  e ignóbeis perpetrados ao longo da existência humana que culminaram em resultados abomináveis com consequências multiplicadoras desastrosas que a sociedade guineense não tem o direito e nem o luxo de reproduzir no TCHON SAGRADO DOS NOSSOS MÁRTIRES E PADIDAS, mais sim, ela tem a ocasião tão sonhada para tirar ilações desses conflitos e criar um modelo de convivência ímpar e inveijável para a geração actual e a vindoura.

Obviamente, incombe a classe intelectual dar o apoio indefectível aos verdadeiros políticos (temos poucos, mas, ainda existem) capazes de assumir tais desígnios com programas e estratégias bem concebidos e aplicáveis em cada centimetro quadrado onde existir uma alma viva guineense e em conformidade com a realidade do país que nos viu nascer.

Existe uma linha de demarcação inequívoca entre religião, instituição religiosa, fé religiosa e prática religiosa enquanto que, ser guineense é antes de tudo pensar e agir, de forma exemplar, com o nobre objectivo de  fazer brilhar a Guine-Bissau, guineenses e amigos. É importante não fugir dessa linha de pensamento e de ação!

Seria bom que cada guineense abandonasse a sua zona de conforto habitual onde sempre teve respostas aos sucessivos insucessos pessoais e, abraçar a via soberana de paz e da guineendade. Se um ex-governante se sentir a necessidade de justificar o seu amor ou ódio para com a religião católica e/ou muçulumana, que o faça com toda a honestidade, sem hipocresia e sem FINTAS CURTAS. Seja la como for, o problema é dele e nunca deve ser um problema colectivo. Aliás, nao devemos esquecer que o nosso Estado é laico!

Neste planeta que conta com mais de duas centenas de países, há seguramente a possibilidade de escolher um lugar melhor para viver condignamente. Por isso, teremos sempre muita dificuldade em compreender o guineense que ainda não percebeu e teme em não integrar um dos maiores desejos da sociedade guineense – viver entre irmãos em paz e sossego e assumir a reconstrução DI TCHON SAGRADO.

Jamais aceitaremos manipulações de cunho religioso intoxicar a nossa vivência secular enqunto africanos e guineenses unidos pela mesma causa.

Havemos de concluir majestosos projetos na PÁTRIA que nos viu nascer com e para a nossa juventude – o garante e a razão do nosso combate!

 

Guineensemente,

Adulai Djalo – Lai (Canada)

Montreal, 23 Novembro de 2016

 

 

 

One Response to Opinião: Guiné-Bissau: Fé Cristã e/ou Muçulmana

  1. Augusto Monteiro diz:

    Bom dia caro concidadão Lai
    não-nos conhecemos, mas gostei deste teu artigo, como tmb do outro sobre resgate dos bancos.

    coragem e um abraço cordial.
    Augusto Monteiro
    Bissau

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.


Fatal error: Call to undefined function get_HitsMechanic() in /home/afrowa6/public_html/gbissau.com/wp-content/themes/NewsMagazine/post-single.php on line 48