Dissidentes do PAIGC acusam partido de querer instalar caos na Guiné-Bissau

(LUSA) 31 de maio de 2017 – O grupo de dissidentes do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), principal partido da Guiné-Bissau, acusou hoje a direção daquela formação política de pretender instalar o caos com recurso aos jovens.

A posição foi hoje assumida numa conferência de imprensa proferida por Tumane Mané e Tomás Barbosa, dois elementos do grupo dos 15 deputados expulsos do PAIGC.

Segundo aqueles dois dirigentes, o PAIGC “caminha para o abismo” devido à ação da sua liderança e “quer instalar o caos” no país, situação que, disseram, não será aceite pelos militantes do partido.

Mané e Barbosa acusaram a direção do partido liderado pelo ex-primeiro-ministro guineense, Domingos Simões Pereira, de estar a instigar os jovens para protagonizarem atos de violência no país, mesmo que seja enfrentando as forças de ordem.

No sábado passado, confrontos registados entre manifestantes do Movimento dos Cidadãos Inconformados com a crise política no país e a polícia provocaram dezenas de feridos, entre os quais sete polícias.

“Não podemos aceitar que o PAIGC seja transformado no instrumento de caos e de desestabilização” do país, enfatizou Tumane Mané.

Tomás Barbosa, que também é atual ministro da Cultura e Desporto, defendeu, por sua vez, que é errado quando os jovens “se deixam instrumentalizar” ao ponto de pensarem que a Guiné-Bissau é a mesma coisa que a Venezuela.

“As realidades são distintas”, afirmou Tomás Barbosa, pedindo aos pais para não deixarem os filhos participarem em manifestações “encomendadas”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.