FMI recomenda “planeamento cuidadoso” do investimento público da Guiné-Bissau

(LUSA – Bissau, 24 de janeiro de 2018) – O Fundo Monetário Internacional (FMI) aplaudiu ontem a decisão do governo da Guiné-Bissau de aumentar o investimento público em infraestruturas, mas ressalvou que este exige uma “gestão cuidadosa”, “planeamento e execução apropriados” e atenção à dívida gerada. 

“O aumento do investimento [público] é bem-vindo, na medida em que poderá colmatar falhas críticas na infraestrutura do país, mas o processo terá de ser gerido cuidadosamente. Conseguir os efeitos de desenvolvimento pretendidos dependerá de planeamento e execução apropriados, com a devida atenção à capacidade e aos constrangimentos relacionados com a dívida. Vários projetos de investimento, no entanto, ainda não estão completamente integrados no planeamento orçamental”, escreveu, em comunicado, a equipa do FMI que concluiu ontem uma visita à Guiné-Bissau.

A equipa, liderada por Tobias Rasmussen, está em Bissau desde quarta-feira, 17 de janeiro, para avaliar a proposta de Orçamento do Estado para 2018, analisar as implicações fiscais e para a dívida relacionada com a intenção do Governo de aumentar o investimento em infraestruturas e para discutir a evolução da situação no setor bancário.

Rasmussen considerou, numa nota escrita, que “a atividade económica continua dinâmica, suportada por uma gestão fiscal eficaz. A inflação permaneceu baixa, a receita fiscal está a crescer de forma robusta, e o crescimento do PIB real continua perto do ritmo de 2017, cerca de 5,5%”. Por outro lado, o investimento público e privado está a crescer, o que constitui um novo ímpeto para o crescimento.

Quanto ao orçamento para 2018, o FMI considera que a versão aprovada em conselho de Ministros “reflete esforços das autoridades para melhorar a mobilização de receitas e criar uma almofada fiscal para despesa prioritária, em linha com os objetivos do programa apoiado pelo FMI”.

“Com o défice global [inscrito no Orçamento] contido abaixo dos 3% do PIB, a receita maior deverá permitir um aumento da despesa de 3 pontos percentuais do PIB, sobretudo em investimento de infraestrutura”, explicou Rasmussen.

Sobre a situação no setor bancário, o FMI reafirma que a Guiné-Bissau precisa de garantir a vigilância sobre as entidades financeiras, por forma a “assegurar um setor financeiro saudável que sustente o crescimento económico sustentado”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.


Fatal error: Call to undefined function get_HitsMechanic() in /home/afrowa6/public_html/gbissau.com/wp-content/themes/NewsMagazine/post-single.php on line 48