Segurança alimentar na Guiné-Bissau depende de aplicação da lei da terra – Governo

Mulheres a cultivarem o arroz nas bolanhas da Guiné-Bissau

Bissau, 22 de Março de 2018 (LUSA/ANGOP) – A aplicação da lei da terra, na Guiné-Bissau, é fundamental para se garantir a segurança alimentar, sobrevivência e rendimentos da população, defendeu hoje o director-geral da Agricultura, Carlos Amarante.

“A segurança alimentar e nutricional das populações, a sua sobrevivência e os seus rendimentos dependem directamente dos recursos provenientes da terra, o que implica necessariamente uma garantia de acesso à terra às populações, em especial às camadas mais vulneráveis, que são mulheres e jovens”, disse.

O director-geral da Agricultura falava na cerimónia de apresentação do projecto “N’Tene Terra – Para uma Governação Responsável: Apoio à Implementação da Lei da Terra na Guiné-Bissau”, que visa apoiar a implementação da lei da terra no país, através do estabelecimento e operação de instituições fundiárias, delimitação de terras comunitárias e preparar o imposto sobre propriedade.

O projecto, com duração de quatro anos, vai ser executado pela Organização da ONU para a Alimentação e Agricultura (FAO) e financiado pela União Europeia, num total de três milhões de euros.

A lei da terra foi adoptada na Guiné-Bissau em 1998, mas a instabilidade política e outras restrições impediram a sua aplicação até 2014.

Partilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Fatal error: Call to undefined function get_HitsMechanic() in /home/afrowa6/public_html/gbissau.com/wp-content/themes/NewsMagazine/post-single.php on line 48