Campanha de caju longe das expetativas, Governo quer acabar com barreiras

Campanha de Caju, Guiné-Bissau

Bissau, 22 de Maio de 2018 (Lusa) – O primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, disse que a campanha de caju na Guiné-Bissau está longe das expetativas, mas que o Governo está a tentar acabar com “barreiras ilegais” para que entre em velocidade de cruzeiro.

“A campanha de caju deste ano foi, digamos, um ponto de ‘handicap’ em relação às finanças públicas. No período homólogo do ano passado, nós tínhamos umas receitas extraordinárias”, salientou.

Aristides Gomes explicou que no atual período, segundo os cálculos, o “Estado já poderia ter cerca de 14 biliões (de francos cfa, cerca de 21 milhões de euros) de rendimentos se a campanha tivesse começado a tempo”. Segundo o primeiro-ministro, o preço anunciado em março pelo Presidente guineense, José Mário Vaz, de 1000 francos cfa (cerca de 1,5 euros) por quilograma de castanha de caju é um preço de referência.

“Nós fizemos a esse propósito uma interpretação legal. Houve uma tendência no seio da nossa sociedade em como o preço que é apresentado é obrigatório, mas é de referência”, afirmou, sublinhando que cada um pode estabelecer o preço que quiser para vender o seu produto.

Ao Governo, segundo Aristides Gomes, cabe a limpeza de obstáculos “eventuais e ilegais que possam estar no caminho desse processo”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.