PM Aristides Gomes: “é preciso continuar a trabalhar”

Primeiro-ministro Aristides Gomes, da Guiné-Bissau

Bissau, 23 de Junho de 2018 (LUSA | RFI | Última Hora) –  Os deputados guineenses aprovaram o Orçamento Geral do Estado no valor de 430 milhões de euros, para o que resta do ano 2018. O primeiro-ministro, Aristides Gomes, declarou que já tem instrumentos para governar, contudo lembrou que é preciso “continuar a trabalhar”. 

Os deputados guineenses aprovaram o Orçamento Geral do Estado no valor de 430 milhões de euros para o que resta do ano 2018. Um orçamento que tem um défice de cerca de 70 milhões de euros, mas que o governo de Bissau pensa cobrir através de empréstimos junto de mercados e instituições financeiras.

Para já, o orçamento será coberto com as receitas internas. Sendo que 50% serão provenientes das receitas das alfandegas, 34% das contribuições e impostos, 6% do sector das pescas e 10% de outras fontes de captação de receitas.

Com a aprovação do orçamento, embora que na generalidade, ficando agora a sua apreciação na especialidade pelos deputados, o primeiro-ministro diz que já tem instrumentos para governar e assim conduzir o país as eleições legislativas a 18 de Novembro. Os dois principais partidos no Parlamento, PAIGC e PRS, também têm o mesmo entendimento: “as eleições não podem falhar a 18 de Novembro”.

Por outro lado, o antigo primeiro-ministro Artur Sanha, destacado dirigente do PRS, convidou os políticos e dirigentes do país a serem leais consigo mesmos e abster-se de pecar contra o país, assumindo adoptar o modelo de gestão de Timor-Leste para criação de uma transição assistida para reestruturar o Estado através de grandes reformas.

Sanha defende que a comunidade internacional se una, enviando assistentes para diferentes sectores da administração que inclui a própria Presidência Da República e sectores vitais e mais estratégicos, defende Artur Sanha.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.