Cateforia dos Arquivos: José Ramos-Horta

ONU distingue com diploma de mérito 44 personalidades nacionais e estrangeiras 

Bissau (Bombolom-FM, 16 de Junho de 2014) – O Representante Especial do SG das Nações Unidas, José Ramos-Horta, distinguiu ontem, 44 personalidades nacionais e estrangeiras com diploma de mérito e apreço pelo contributo ao processo de eleições decorrido este ano no país, o qual fechou o ciclo de transição de dois anos, marcando o retorno à normalidade constitucional.

Dentre as 44 personalidades nacionais e estrangeiras distinguidas em nome das Nações Unidas, encontramos o Presidente de transição, o Primeiro-Ministro, o Corpo diplomático, elementos da direção da CNE e das CRE’s, membros do Comando-Conjunto, da ECOMIB e à representantes de instituições internacionais sedeadas no país.

Representante da ONU rejeita que tráfico de droga seja principal preocupação na Guiné-Bissau 

Bissau (Angop, 4 de Junho de 2014) – O representante das Nações Unidas na Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, rejeitou terça-feira, em comunicado, a ideia de que o tráfico de droga seja a principal preocupação na Guiné-Bissau, tal como referido segunda-feira pela Interpol e por outro representante da ONU.

“Em mais de um ano de presença activa no país, José Ramos-Horta nunca observou que este seja o principal problema”, escreve-se num comunicado do Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS).

José Ramos-Horta, novo representante da ONU na Guiné-Bissau

Eleições 2014: José Ramos-Horta saúda conclusão do processo eleitoral

Bissau (PNN, 22 de Maio de 2014) – O Representante Especial do Secretário-geral da ONU para a Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, felicitou o povo guineense pela conclusão da longa caminhada de retorno à Ordem Constitucional, com o resultado provisório da votação na segunda volta das Presidenciais anunciado pela Comissão Nacional de Eleições (CNE).

Grande Entrevista: “Guiné-Bissau está de parabéns” – José Ramos-Horta

Bissau (GBissau, 26 de Abril de 2014) – O Representante Especial das Nações Unidas na Guiné-Bissau vai ser substituído no final do seu mandato no final do mês de Junho deste ano.

Quem o disse foi próprio José Ramos-Horta, numa entrevista esta semana com a GBissau. Caberá ao Secretário-geral da ONU e ao Conselho de Segurança da organização a escolha da figura que substituirá o antigo presidente timorense.

Ramos-Horta continua a defender a formação de um governo inclusivo 

Bissau (PNN, 22 de Abril de 2014) – O Representante Especial do Secretário-geral das Nações Unidas para o país,  disse no domingo, 20 de abril, que doravante, a responsabilidade dos guineenses é trabalhar para constituir o governo mais inclusivo possível.

«Da minha parte, enquanto Representante do Secretário-geral ao serviço da ONU, e ainda enquanto cidadão, vou fazer tudo para não trair a esperança e a confiança do povo, isso é a minha responsabilidade. A vossa responsabilidade é que haja o governo mais inclusivo possível, embora saibamos que não é fácil. Vai ser difícil para o Primeiro-ministro negociar a formação de um Governo que seja o melhor possível para este país», afirmou Ramos-Horta durante a cerimónia de encerramento de uma jornada de reflexão sobre a identidade guineense.

Ramos-Horta faz balanço “positivo” do período de transição

Bissau (ANG, 10 de Abril de 2014) – O Representante Especial do Secretario Geral das Nações Unidas para a Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, classificou de “satisfatório” o balanço dos dois anos do período de transição prestes a findar com a eleição de novas autoridades nacionais no dia 13.

“Pode-se dizer que o processo eleitoral tem decorrido bem, apesar de alguns incidentes de percurso que condenamos”, disse aos jornalistas.

De acordo com Ramos-Horta, o processo de recenseamento foi um “sucesso, com o registo de 95.6 por cento de eleitores”, disse, acrescentando esperar que um número igual ou próximo de votantes venha a exercer o seu direito cívico no dia 13.

O Representante de Ban Ki-Moon para a Guiné-Bissau congratulou-se com os esforços feitos pelas autoridades civis, militares, religiosas e comunidade internacional para a normalização constitucional, e realçou os contactos pessoais e telefónicos havidos no sentido de que a votação decorra com a máxima segurança: “Fui assegurado por todos de que vão honrar os resultados que venham a ser confirmados pela Comissão Nacional de Eleições”, concluiu.

UNIOGBIS doa equipamentos aos média para cobertura eleitoral

O Representante Especial do Secretário-geral das Nações Unidas para a Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, presidiu ontem a cerimónia de entrega de equipamentos de trabalho aos média do Estado e privados do país, para uma melhor cobertura das eleições gerais do próximo domingo.

Segundo o comunicado da UNIOGBIS a que ANG teve acesso, os equipamentos oferecidos compreendem motorizadas, computadores portáteis, ecrãs suplementares, impressoras multifunções, gravadores digitais, microfones, auriculares, câmaras de televisão e fotográficas.

Vinte e três média e 63 jornalistas foram abrangidos pela oferta, de que uma parte foi hoje entregue aos beneficiários, devendo a restante ser entregue posteriormente.
Os equipamentos doados custaram 200 mil dólares ao Fundo das Nações Unidas para a Consolidação da Paz (PBF).

Ramos Horta “aconselha” STJ a não impedir candidatura de JOMAV

Bissau  (ANG, 11 de Março de 2014) – O Representante Especial do Secretário-Geral da ONU para a Guiné-Bissau, aconselhou o Supremo Tribunal da Justiça (STJ) a não inviabilizar a candidatura de José Mário Vaz, concorrente do PAIGC às presidenciais de 13 de Abril.

José Ramos-Horta se exprimia ontem, à margem da cerimónia de entrega de um lote de uniformes militares ofertado pelo reino de Marrocos ao pedido do UNIOGBIS.

Organização das Nações Unidas (ONU)

“ONU não é solução para problemas da Guiné-Bissau” – José Ramos-Horta

Bissau  (Rádio Pindjiguiti, 11 de Março de 2014) – O Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Guiné-Bissau (RSSG), José Ramos-Horta, disse ontem, segunda-feira, que a ONU não é a solução para os problemas da Guiné-Bissau.

Falando aos jornalistas em Bissau, à margem da reunião de informação e sensibilização sobre a preparação de um novo acordo de envolvimento de Estados Frágeis e respondendo à algumas vozes que defendem a tutela do país pela Organização mundial, Ramos-Horta afirmou que a ONU pode simplesmente ajudar o país através das autoridades eleitas.

Militares da Guiné-Bissau | Foto Arquivo

ONU defende preparação de fundo de pensões para reformar forças armadas guineenses

Bissau  (Angop, 11 de Março de 2014) – O representante das Nações Unidas na Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, alertou para a necessidade de a comunidade internacional começar a preparar um fundo de pensões para realizar a reforma das forças armadas bissau/guineenses.

Falando à imprensa segunda-feira, Ramos-Horta disse que as autoridades militares já entregaram “uma lista de mil e 700 elementos que voluntariamente se inscreveram para sair e há ainda mais 200 que, por idade ou saúde, devem retirar-se”.

Polícia da Ordem Pública da Guiné-Bissau | Foto Arquivo

ONU e Brasil preparam formação de 1500 polícias e militares guineenses

Bissau (Angop, 27 de Fevereiro de 2014) – Um total de 1500 polícias e militares guineenses vão receber formação da Organização das Nações Unidas e do Brasil para melhorarem a segurança no país antes e durante as eleições gerais marcadas para 13 de Abril, revelou ao Conselho de Segurança o seu representante para a Guiné-Bissau, José Ramos-Horta.

Ramos Horta diz que eleições na Guiné-Bissau não podem ser adiadas

Bissau (VOA, 26 de Fevereiro de 2014) – Ramos-Horta pediu uma resposta robusta do Conselho de Segurança para as tentativas de minar as eleições gerais no país.

O representante especial do secretário-geral da ONU  para a Guiné-Bissau disse terça-feira ao Conselho de Segurança das Nações Unidas estarem criadas as condições técnicas para a realização de eleições gerais a 13 de Abril e que não se devem considerar mais adiamentos.

Organização das Nações Unidas (ONU)

Conselho de segurança da ONU debate relatório sobre Guiné-Bissau

Nova Iorque (Lusa, 26 de Fevereiro de 2014) – O Conselho de Segurança das Nações Unidas reúne-se hoje para debater as conclusões do último relatório sobre a Guiné-Bissau, que refere violações de direitos humanos e pede maior esforço na luta contra a impunidade.

O representante especial da ONU para a Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, vai participar na reunião a partir da capital guineense, Bissau, via teleconferência.

Políticos são principais responsáveis pelo estado da Guiné-Bissau

Lisboa (Angop, 17 de Fevereiro de 2014) – O representante das Nações Unidas na Guiné-Bissau responsabiliza, em primeiro lugar, as elites políticas pelo estado de um país “falhado em todos os sentidos”.

“Os políticos é que manipulam os militares, incitando-os a apoiar uma facção ou outra”, acusa José Ramos-Horta, em entrevista publicada na edição de Fevereiro/Março da revista “The World Today”, do Chantham House, instituto britânico de análise internacional.

Eleições gerais na Guiné – Bissau podem ser adiadas até duas semanas – Ramos-Horta

Bissau – (Angop, 5 de Fevereiro de 2014) – As eleições legislativas e presidenciais na Guiné-Bissau, marcadas para 16 de Março, podem ser adiadas duas semanas “no máximo”, admitiu o representante especial do Secretário-Geral das Nações Unidas no país, José Ramos-Horta.

Se devido a “prazos legais e ajustamentos técnicos necessários” a data tiver que ser adiada “duas semanas, no máximo, creio que ninguém vai levantar problemas. Eu subscreveria”, referiu em declarações aos jornalistas.

Ramos-Horta felicita o processo de recenseamento eleitoral

Bissau (GBissau, 4 de Fevereiro de 2014) – O Representante do secretário-geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, considerou de sucesso o processo do recenseamento eleitoral no país.

Ramos-Horta falava aos jornalistas no final de uma visita à Rádio Comunitária Voz de Quélélé que completou hoje, terça-feira, 20 anos da existência.

Entrevista: A data de eleições para o dia 16 março de 2014 é imutável e inadiável” – Ramos-Horta

Bissau (Expresso de Bissau) – O Representante Especial do Secretário-geral da ONU na Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, afirmou que a nova data marcada pelo Presidente da República de Transição para a realização das eleições é inadiável. Em entrevista exclusiva ao Expresso Bissau, o Nobel da Paz disse que se isso vier a acontecer, será um desaire para o povo guineense. Sublinhou que os guineenses devem trabalhar 24/24 horas para que a data seja cumprida, mesmo esquecendo as festividades do Natal.

Ramos-Horta elogia juventude do clube desportivo do Bairro d´Ajuda

Bissau (PNN, 16 de Janeiro de 2014) – O Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, valorizou a «esperança e o ânimo» dos jovens envolvidos nas muitas atividades desportivas, culturais e sociais, organizadas pelo Clube Desportivo do Bairro d´ Ajuda.

José Ramos-Horta visitou a sede do clube, numa das periferias da capital guineense, que foi fundada a 10 de Outubro de 1969, mas que ficou inativa durante 22 anos.

Bissau (Gabinete da ONU na Guiné-Bissau, 11 de Dezembro de 2013) – No dia Internacional dos Direitos Humanos, o primeiro-ministro guineense inaugurou em Bafatá (leste) um centro de formação em serralharia para 48 reclusos do centro prisional local, a quem também foram entregues estojos para higiene pessoal.

Na ato de inauguração, ao fim da manhã de terça-feira, Rui Duarte de Barros esteve acompanhado do Presidente do Supremo Tribunal da Justiça, Paulo Sanhá ,e de uma equipa governamental composta pelos ministros da Justiça, Mamadu Saido Baldé, Economia e Integração Regional, Soares Sambú, da Mulher, Família, Solidariedade Social e Luta contra Pobreza,  Gabriela Fernandes.

Entrevista: “Não pode haver um exército em pleno século XXI que seja temido pelo povo” – José Ramos-Horta

“O povo da Guiné-Bissau tem receios, tem medo dos militares. Não pode haver um exército em pleno século XXI que seja temido pelo povo. Esse exército deve ser respeitado. Esse exército cuida da constituição e a constituição diz a defesa da independência, soberania e da integridade territorial do país. Deve ser um exército respeitado e não temido”.

Bissau (GBissau.com, 30 de Novembro de 2013) – Numa entrevista recente com a GBissau.com e a Rádio Gumbe.com, o Representante Especial das Nações Unidas na Guiné-Bissau teceu fortes críticas contra as Forças Armadas do país.

Para José Ramos-Horta, não pode haver um exército em pleno século XXI que seja temido pelo seu próprio povo. Mas, mais do que criticismo, Ramos-Horta gostaria que ele fosse ouvido pela chefia militar guineense.

Guiné-Bissau: Os Direitos Humanos e o caso da morte do Capitão Armando Pombo

“…Alguém em que a vida é perdida pela violência deixa muita mágoa, muita revolta, ressentimentos e vai alimentando situações muito difíceis. Ora, esta situação é totalmente inaceitável”. 

Bissau (GBissau.com, 26 de Novembro) – Numa entrevista recente com a GBissau.com e a Rádio online Gumbe.com, o Representante Especial das Nações Unidas na Guiné-Bissau falou de uma forma emocionante sobre o caso do capitão Armando Pombo que perdeu a vida depois de frequentar o centro de treinamento militar de Cumeré.

José Ramos-Horta teria ajudado financeiramente para o tratamento e a evacuação do Capitão Armando Pombo, mas este acabou por perder a vida, dentro do avião, no exacto momento em que estava a ser evacuado para um país estrangeiro.

Ramos-Horta classifica processo de transição como «frustrante e lento»

Bissau (PNN, 27 de Novembro de 2013) –    O Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau responsabilizou o Governo de transição pela realização das eleições Gerais a 16 de Março de 2014, quando falava no Conselho de Segurança, em Nova Iorque.

José Ramos-Horta discursou esta ter¬ça-feira, 26 de Novembro, tendo classificado como «frustrante e lento» o processo para a restauração da ordem constitucional na Guiné-Bissau, depois do golpe de Estado militar de 2012. A reestruturação tem passado por sucessivos adiamentos, e um clima generalizado de medo.

Ramos-Horta diz que direitos humanos são violados na Guiné-Bissau

Nova Iorque (ONU, 27 de Novembro de 2013) –  O Representante Especial do secretário-geral da ONU na Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, disse terça-feira ao Conselho de Segurança que “a situação dos direitos humanos e de segurança continua a deteriorar-se no país”.

“A situação dos direitos humanos e da segurança na Guiné-Bissau continua a deteriorar-se, com um aumento dos casos de intimidação, ameaças e limitações à liberdade de expressão e associação, assim como a continua interferência militar nos assuntos de Estado”, declarou.

ONU: Consultas sobre Guiné-Bissau em Nova Iorque

  • O Conselho de Segurança da ONU vai pedir o reforço da força da ECOMIB

Nova Iorque (GBissau.com, 26 de Novembro de 2013) – O Conselho de Segurança das Nações Unidas espera receber esta tarde, terça-feira, dois relatórios do Representante Especial do Secretário-Geral da ONU na Guiné-Bissau.

José Ramos Horta falará sobre a restauração da ordem constitucional e sobre as actividades do Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS).

Entrevista: “Será preciso a refundação do Estado guineense” – José Ramos-Horta

“…Eu não vejo que seja necessária uma força de paz. Uma intervenção militar não é necessária. A situação na Guine-Bissau não exige. O Conselho de Segurança não faria isso, mas é possível uma força policial maior para apoiar a força policial nacional. Pode ser que seja possível uma ECOMIB maior para ajudar na estabilização.”

Bissau (GBissau.com, 26 de Novembro) – Numa entrevista recente com a GBissau.com, o Representante Especial das Nações Unidas na Guiné-Bissau defendeu aquilo que considera de refundação do Estado guineense. Eis as palavras de José Ramos-Horta, transcritas da entrevista com a GBissau.com e com a Rádio Gumbe.com:

Esta missão é ainda só política e os bureaus regionais e os escritores regionais são meramente políticos e através da missão aqui e dos escritores regionais, vamos monitorando melhor a situação no país. Podemos ajudar em mediação dos conflitos regionais, conflitos locais e, ao mesmo tempo, tentar mobilizar recursos para apoiar as zonas rurais.

“Guiné-Bissau deixou de ser um ponto de trânsito importante na rota de tráfico de droga” – José Ramos-Horta

Bissau (GBissau.com, 23 de Novembro de 2013) – Nos últimos doze (12) meses, a Guiné-Bissau deixou de ser um dos pontos importantes de trânsito de droga de América Latina para a Europa. As afirmações são do Representante Especial das Nações Unidas na Guiné-Bissau, numa entrevista exclusiva à GBissau.com.

Também de acordo com José Ramos-Horta, o movimento de traficantes de droga dentro da Guiné-Bissau baixou muito significativamente nos últimos nove (9) meses. “Todas as nossas informações apontam para a redução drástica no tráfico de droga na Guiné-Bissau. O ponto de trânsito mudou para outros países da sub-região”, revelou o chefe da missão da ONU na Guiné-Bissau.

Carreguem no link para ouvir a parte da entrevista com José Ramos-Horta sobre o tráfico de droga, o caso de almirante Bubo Na Tchuto, e do General António Indjai.