Arquivos do etiqueta: Fernando Vaz

Renegociação do acordo para a Comunicação Social entre Guiné-Bissau e Portugal

DW África (Bissau, 20 de Julho de 2017) – Umaro Sissoco Embaló acaba de passar por Lisboa, em visita privada, com uma agenda oficiosa discreta, que terá incluído o polémico acordo bilateral estabelecido com Portugal no domínio da comunicação social.

O Governo de Umaro Sissoco Embaló, que fez uma curta escala por Lisboa esta semana, não vai pactuar com ilegalidades e propõe rever todos os acordos de cooperação com parceiros bilaterais e multilaterais que não beneficiem a Guiné-Bissau, de acordo com declarações de Fernando Vaz, ministro do Turismo e Artesanato, à DW África.

Bolama-Bijagós, Guiné-Bissau

TURISMO: Governo lança pacotes de férias junto à agências portuguesas de viagens

(ANG) Bissau, 31 maio de 2017 – O Governo quer mais portugueses a visitar o país e lançou, recentemente, junto à várias agências portuguesas de viagens, cinco pacotes de férias para promover o destino Guiné-Bissau em Portugal.

Caso Ébola: UPG encoraja apoio de parceiros de desenvolvimento

“…afirmar que o ébola pode chegar a Portugal tendo como porta de entrada a Guiné-Bissau, parece-nos ser uma afirmação alarmante, de má-fé, exagerada e descontextualizada” – Fernando Vaz, líder da União Patriótica Guineense

Bissau (GBissau, 29 de Outubro de 2014) – A União Patriótica Guineense, UPG, através de um comunicado de imprensa que tivemos acesso, afirma que o seu papel é fazer uma oposição responsável, consciente e construtiva às autoridades do país proveniente das últimas eleições realizadas há pouco mais de 100 dias, embora admitiu não esquecer da difícil e frágil conjuntura política, económica e social.

Grande Entrevista: Balanço sucinto do período de transição – Porta-voz do governo de transição

  • Governo de Transição reconhece efeitos provocados pelo afastamento de doadores internacionais – admite o porta-voz do Executivo

Bissau (Jornal Nô Pintcha, Fevereiro de 2014) – O ministro de Estado, da Presidência de Conselho de Ministros, Assuntos Parlamentares e Porta-voz do Governo reconheceu, na semana passada, num balanço antecipado do período transitório, que o Governo de Transição foi vítima de quase todos os parceiros de desenvolvimento da Guiné-Bissau, mas mesmo assim, segundo o governante, conseguiu cumprir com a sua missão prioritária.

Fernando Vaz defendeu que se este país tem tido Governos que em dois anos de vigência faz aquilo que este Executivo fez, a Guiné-Bissau seria outra, contra marés de sanções impostas pela comunidade internacional.

Fernando Vaz, ministro da Presidência da Republica e da Comunicação Social e porta-voz do Governo da Guiné-Bissau

Governo guineense pede informações oficiais dos EUA sobre militares acusados de narcotráfico

Bissau (GBissau.com, 22 de Abril de 2013) – O Governo de transição da Guiné-Bissau, através da Procuradoria-Geral da República, solicitou informações oficiais aos Estados Unidos sobre os casos de militares acusados de tráfico de droga e armas.

A decisão foi tornada pública hoje, segunda-feira, pelo ministro da Presidência da República e da Comunicação Social, Fernando Vaz, durante uma conferência de imprensa.
Fernando Vaz disse que a decisão do governo guineense se insere dentro “das relações bilaterais que existem entre os dois países em respeito aos princípios do direito internacional e em observância da soberania de cada estado, integridade territorial e o respeito ao cidadão”.

O Governo de Transição pode recusar vistos aos países que não o reconhece

Fernando "Nando" Vaz, ministro da presidência do conselho de ministros

Fernando “Nando” Vaz, ministro da presidência do conselho de ministros

Bissau (Rádio Difusão Naciona-RDN, 9 de Novembro de 2012) – Fernando Vaz, o ministro da Presidência do Conselho de Ministros e porta-voz do Governo de Transição disse hoje, sexta-feira, que não concederão vistos aos países que não reconhecem o actual governo.

Sem citar os nomes dos países, Fernando Vaz disse aos jornalistas “aqueles que não nos dão vistos e não nos reconhecem, não serão recebidos na Guiné-Bissau”.

O porta-voz do Governo fazia referência à uma missão de observação que deverá chegar ao país no próximo dia 15 de Novembro, composto pela União Africana, ONU, CPLP, e os representantes da CEDEAO.

Portugal poderá ser o país mais avisado com esta decisão porque, nos últimos meses muitos governantes guineenses viram os seus pedidos de vistos recusados pela representação diplomática portuguesa na capital guineense, Bissau.