Arquivos do etiqueta: Ramos-Horta faz balanço “positivo” do período de transição

Ramos-Horta faz balanço “positivo” do período de transição

Bissau (ANG, 10 de Abril de 2014) – O Representante Especial do Secretario Geral das Nações Unidas para a Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, classificou de “satisfatório” o balanço dos dois anos do período de transição prestes a findar com a eleição de novas autoridades nacionais no dia 13.

“Pode-se dizer que o processo eleitoral tem decorrido bem, apesar de alguns incidentes de percurso que condenamos”, disse aos jornalistas.

De acordo com Ramos-Horta, o processo de recenseamento foi um “sucesso, com o registo de 95.6 por cento de eleitores”, disse, acrescentando esperar que um número igual ou próximo de votantes venha a exercer o seu direito cívico no dia 13.

O Representante de Ban Ki-Moon para a Guiné-Bissau congratulou-se com os esforços feitos pelas autoridades civis, militares, religiosas e comunidade internacional para a normalização constitucional, e realçou os contactos pessoais e telefónicos havidos no sentido de que a votação decorra com a máxima segurança: “Fui assegurado por todos de que vão honrar os resultados que venham a ser confirmados pela Comissão Nacional de Eleições”, concluiu.

UNIOGBIS doa equipamentos aos média para cobertura eleitoral

O Representante Especial do Secretário-geral das Nações Unidas para a Guiné-Bissau, José Ramos-Horta, presidiu ontem a cerimónia de entrega de equipamentos de trabalho aos média do Estado e privados do país, para uma melhor cobertura das eleições gerais do próximo domingo.

Segundo o comunicado da UNIOGBIS a que ANG teve acesso, os equipamentos oferecidos compreendem motorizadas, computadores portáteis, ecrãs suplementares, impressoras multifunções, gravadores digitais, microfones, auriculares, câmaras de televisão e fotográficas.

Vinte e três média e 63 jornalistas foram abrangidos pela oferta, de que uma parte foi hoje entregue aos beneficiários, devendo a restante ser entregue posteriormente.
Os equipamentos doados custaram 200 mil dólares ao Fundo das Nações Unidas para a Consolidação da Paz (PBF).